Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PT e PSDB usam Prefeitura como trampolim, diz Netinho

Por Daiene Cardoso e Guilherme Waltenberg

São Paulo – Em entrevista à rádio Estadão/ESPN na manhã desta quarta-feira, o pré candidato do PC do B à Prefeitura de São Paulo, Netinho de Paula,disse que falta dedicação dos políticos à cidade. “Faltou à cidade de São Paulo pessoas que quisessem se candidatar para ser prefeito. Um prefeito para prefeitar de verdade”. Segundo ele, PT e PSDB têm na campanha municipal um trampolim para outros cargos. “Ambos estiveram no posto nos últimos 20 anos e não resolveram os problemas crônicos da cidade.”

Para Netinho, a administração de Gilberto Kassab (PSD) e as anteriores erraram ao não investirem maciçamente no Metrô. “Eles (prefeitos) optaram por corredores e colocar mais ônibus nas ruas. Ônibus, ônibus, ônibus. E é isso o que estamos vivendo hoje, não vai pra frente nem pra trás. Uma cidade que parou,” criticou. E disse que uma de suas plataformas de governo é unir o que chamou de “duas São Paulo”: “Em uma parte a cidade tem tudo. Na outra não tem nada. Eu vim da segunda. Quero mudar isso.”

Netinho falou também do episódio que ainda hoje provoca discussões, sobretudo nas redes sociais, de espancamento de sua ex-mulher em 2004. Segundo ele, este é um episódio superado, do qual ele se arrependeu e já pediu desculpas. Ele atribuiu as discussões sobre o episódio nas redes sociais “ao uso político e a uma campanha orquestrada” de quem se incomoda com o seu bom desempenho na política. E lembroude sua última votação para o senado em 2010, quando recebeu 7,8 milhões de votos. “Fui o negro mais votado do Brasil. Acho que isso já está superado. Uma pessoa não pode ser condenada por um erro a vida toda.”E brincou: “Senão esse negrão aqui vai ser só coisa boa pra falar.”

Sobre essa campanha, na qual figurou em primeiro lugar nas pesquisas boa parte da tempo, ele afirmou que não se elegeu porque seu partido não acreditou nas chances reais de ele vencer o pleito e faltou dedicação. “Mas agora (campanha à Prefeitura de São Paulo) é diferente, eles estão envolvidos”, disse.

Ex-vocalista do grupo de samba Negritude Jr., o pré-candidato foi questionado sobre suas propostas para cultura e educação. Para ele, a cultura é uma responsabilidade da família e a educação do Estado. “O que temos que fazer é a intersecção entre as duas”. E elogiou um dos programas que o tucano Geraldo Alckmin já implementou no Estado, o”Escola da Família”, que abre o espaço da escola para a comunidade nos finais de semana. “Esse foi o melhor ensaio que a gente teve de aproximação”.

Netinho afirmou que, caso seja eleito neste pleito,pretende fazer de todas as escolas um “mini CEU”, em referência aos Centros de Educação Unificado, projeto que teve início na administração da petista Marta Suplicy. “Cada escola tem a obrigação de ter um teatro, uma quadra coberta, pode ter uma piscina, independente do espaço físico. Se você não pode esticar a escola no sentido horizontal, você pode esticá-la no sentido vertical”, afirmou.

No combate às drogas, ele afirmou que incentivaria as ações das igrejas e investimento em clínicas de tratamento. Para Netinho, a ação da Prefeitura e do Estado na cracolândia foi “desastrosa”. “Viciado é doente, não um criminoso”.

Dentre suas inspirações na política, Netinho citou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente norte-americano Barack Obama. “De um lado um ex-trabalhador que virou presidente, do outro um negro que chegou à presidência”, afirmou. “Sou jovem na política e quero inspirar outros jovens a serem políticos”.

Netinho foi o quarto pré-candidato à Prefeitura de São Paulo a participar da série de entrevistas sobre eleições municipais, promovida pelo Grupo Estado. A primeira entrevistada foi Soninha Francine (dia 17), seguida de Fernando Haddad (dia 18) e de Russomanno (dia 20). Na sexta-feira (27) será a vez de Gabriel Chalita. O pré-candidato do PSDB, José Serra, ainda não confirmou a data de sua participação.