Clique e assine a partir de 9,90/mês

Próximo passo é pedir perícia e clima com Moro não é bom na PF

Objetivo é confirmar se mensagens são verdadeiras e se Delgatti Neto é fonte do Intercept Brasil

Por Leandro Resende, do Rio de Janeiro - Atualizado em 26 jul 2019, 20h14 - Publicado em 26 jul 2019, 20h04

A divulgação do depoimento de Walter Delgatti Neto, suspeito de ter hackeado o celular de diversas autoridades, é um passo rumo à solicitação da perícia dos arquivos apreendidos pela Polícia Federal na última terça-feira 23.

Uma fonte com acesso às investigações informou à VEJA que há uma insatisfação da corporação com o ministro Sergio Moro, e que o objetivo da perícia é comprovar dois pontos: se o Delgatti Neto é mesmo a fonte que repassou mensagens trocadas no aplicativo Telegram por integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato ao site The Intercept Brasil; e se houve algum tipo de adulteração no material que foi apreendido.

Nesta sexta-feira 26, o depoimento de Delgatti Neto foi divulgado pela TV Globo. Nele, o hacker nega ter feito qualquer alteração nas mensagens de Telegram as quais teve acesso e diz acreditar não ser possível fazê-lo.

Na Polícia Federal, o clima é de insatisfação com a postura do ministro da Justiça Sergio Moro diante das investigações – ele chegou a dizer que as conversas obtidas pela PF com Walter e os outros supostos hackers presos seriam destruídas. Ao Radar da VEJA, o presidente da Associação de Delegados da Polícia Federal, Edvandir Paiva afirmou que “a manifestação de Moro nesse momento é inadequada”.

Continua após a publicidade
Publicidade