Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Protesto a favor de Lula reúne multidão em Porto Alegre

Ato organizado pelo MBL reuniu poucas pessoas em tradicional ponto de encontro de opositores do petista na cidade

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 7 abr 2018, 04h18 - Publicado em 7 abr 2018, 04h14

Apoiadores e opositores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva saíram às ruas nesta sexta-feira para protestar em Porto Alegre (RS).

O ato convocado pela Frente Brasil Popular, que defende o petista, reuniu 10.000 pessoas no centro da capital, conforme organizadores. Já a manifestação convocada pelo Movimento Brasil Livre (MBL) reuniu cerca de 20 pessoas no Parcão, tradicional ponto de encontro dos oponentes de Lula, no bairro Moinhos de Vento.

O protesto em defesa do ex-presidente começou às 17h na Esquina Democrática, no Centro. Embalados por um caminhão de som, bandeiras e cartazes, lideranças políticas de diferentes partidos de esquerda e de movimentos sociais partiram em caminhada até o Largo Zumbi dos Palmares, no bairro Cidade Baixa. Diversas vias ficaram bloqueadas durante o trajeto. O ato terminou por volta das 21h.

Nenhum incidente ou confronto foi registrado, informou a polícia gaúcha. Na manifestação, o presidente do PT no Rio Grande do Sul, deputado federal Pepe Vargas (PT-RS) criticou as últimas decisões judiciais que pesaram sobre o ex-presidente Lula. “A decisão do juiz Moro é ilegal e imoral”, disse.

Já o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, defendeu a resistência a prisão de Lula. “A palavra de ordem é resistir tal qual Mandela. Lula sairá mais forte e será presidente pela segunda vez, declarou.

Além de militantes, o ato contou com a presença de deputados, vereadores e ex-governadores e ex-prefeitos do PT em Porto Alegre. Para Raul Pont, ex-prefeito de Porto Alegre, Lula realizou um “ato político para o mundo” após não ter se entregado a Polícia Federal.

Enquanto manifestantes defendiam Lula no Centro de Porto Alegre, um grupo de opositores começava a se concentrar nas imediações do Parcão, na avenida Goethe. O ato organizado pelo MBL contou com a venda de pixulecos, os bonecos infláveis de Lula, porém o quórum foi baixo.

Aproximadamente 20 manifestantes, vestidos de verde e amarelo, exigiam a prisão do ex-presidente. A manifestação intitulada “CarnaLula”, tinha horário marcado para às 18h e ocorreu até às 21h. Com instrumentos e bandeiras, cinco integrantes da La Banda Loka Liberal também cantaram músicas contra o ex-presidente Lula. O ato também foi pacífico, sem oregistro de tumultos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês