Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Policiais eram os anjos da guarda do traficante Nem

Relatório da Operação Guilhotina detalha como policiais civis e militares vendiam armas e informações ao chefe do tráfico na Rocinha

Por Cecília Ritto e João Marcello Erthal, do Rio de Janeiro 18 fev 2011, 15h14

Inspetor é acusado de receber pagamentos mensais de 100 mil reais e de revender armas apreendidas para traficantes

Enquanto uma parte das favelas do Rio de Janeiro era ocupada pelas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), a Rocinha se mantinha ‘protegida’ das mãos do estado por uma rede de proteção composta por policiais a serviço do traficante Antônio Bonfim Lopes, o ‘Nem’. Os detalhes da íntima convivência dos agentes da lei com o criminoso e com outros chefões do tráfico, como Rogério Rios Mosqueira, o Roupinol, constam no relatório da Operação Guilhotina, a que o site de VEJA teve acesso.

O vazamento de informações sobre operações e investigações na favela, bem como a venda de armamentos, ocorria com um grau assustador de liberdade. Como aponta o relatório, parte do grupo que dava proteção ao traficante Nem vinha exatamente da unidade da Polícia Civil encarregada do combate a esse tipo de crime, a DCOD (Delegacia de Combate às Drogas).

Os inspetores da Polícia Civil Leonardo da Silva Torres, o Trovão, Flávio de Brito Meister, o Master, e Jorge do Prado Ramos, o Steve, assim como o policial militar Aldo Leonardo Premoli Ferrari (Léo Ferrari), tornaram-se conhecidos por suas freqüentes aparições em operações de combate a traficantes. A Operação Guilhotina expõe, agora, que por trás das incursões policiais, das investigações e da proximidade com delegados estava, na verdade, o objetivo de lucrar com o ofertamento de “segurança privada” aos criminosos.

As investigações tomam por base o depoimento de dois informantes que, segundo o relatório da Polícia Federal, participavam do dia a dia das delegacias sob investigação – Drae (Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos) e DCOD. Os depoimentos incriminam Trovão, Master, Steve e Ferrari. Os quatro são acusados de negociar armas com os traficantes Nem e Roupinol, que comandou o morro do São Carlos, atualmente ocupado pela polícia.

O informante foi infiltrado em morros da facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA), que domina, além da Rocinha, as favelas Nova Holanda e Malvinas, em Macaé. As suspeitas sobre os policiais começaram a ser lavantadas justamente a partir de um vazamento sobre uma operação que seria realizada na Rocinha pela Polícia Federal de Macaé.

A ligação entre Trovão e o traficante Nem se deu, segundo o informante, a partir de uma ‘visita’ que o advogado do bandido fez à DCOD. Ele, informante, passou a funcionar, segundo a investigação, como uma “ponte” entre a delegacia e o comando do tráfico da Rocinha. Trovão teria ido pessoalmente falar com Nem e acertou, segundo consta no relatório, um pagamento mensal de 50 mil reais. Os bons serviços prestados e a possibilidade de fazer o tráfico funcionar sem interferência da polícia logo levaram outro traficante, Roupinol, a colaborar com mais 50 mil reais, que eram levados pelo informante até o advogado e, em seguida, entregues ao policial.

Curiosamente, pouco antes de Trovão e seu grupo começarem a receber caixinha do tráfico, segundo a PF, o policial de estilo inconfundível, conhecido em fotografias e reportagens de TV por andar com uma farda camuflada e ostentar um charuto ao fim das operações, ganhava notoriedade.

Continua após a publicidade

https://youtube.com/watch?v=ODcIIk8AMdc

O informante contou que a equipe do policial adquiriu prestígio depois da apreensão de uma tonelada de maconha na localidade conhecida como Valão, na Rocinha. Foi a chave para Trovão passar a ser admirado na polícia e ser tema de uma série de reportagens. Em seu depoimento, o informante diz ainda que o delegado que comandava a DCOD não tinha conhecimento do recebimento de propina pelos policiais.

Torres chegou a ser personagem do documentário Dancing With the Devil, produzido pelo jornalista inglês Tom Phillips e dirigido pelo sul-africano Jon Blair. Perguntado sobre o que teria levado a guerra entre policiais e traficantes no Rio assumir o atual estágio de violência, Torres, depois de uma gargalhada, dá sua versão, e culpa “o crescimento desordenado das favelas e o consumo desenfreado de drogas”.

LEIA TAMBÉM:

Ex-chefe de Polícia Civil é indiciado por crime contra a adminstração

Tiroteio em São Conrado: testemunha afirma que PMs receberam propina para deixar quadrilha circular

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês