Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pizzolato entra para a lista de procurados da Interpol

190 países são alertados da fuga do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil, condenado a 12 anos e 7 meses de prisão por corrupção, peculato e lavagem

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
18 nov 2013, 15h04

Condenado a 12 anos e 7 meses de prisão no processo do mensalão e foragido na Itália, o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato está oficialmente inscrito na lista de procurados da Interpol. O site da polícia internacional reúne dados e fotos de Pizzolato e informa que ele foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no país.

A Interpol já emitiu alerta vermelho sobre Pizzolato para os 190 países membros. Em alguns países, o aviso tem validade de mandado de prisão. Em outros, é necessário que a Justiça local ratifique o mandado.

Leia também:

A intricada missão de trazer Pizzolato de volta ao Brasil

Continua após a publicidade

Fuga – Pizzolato deixou clandestinamente o Brasil há 45 dias para se esconder na Itália, fazendo uso de sua dupla cidadania. A fuga foi feita pelo Paraguai, na cidade fronteiriça de Pedro Juan Caballero. No fim da manhã de sábado, quando era esperada a apresentação do réu na Polícia Federal do Rio de Janeiro, o advogado Marthius Lobato telefonou para o delegado de plantão, Marcelo Nogueira, avisando que Pizzolato estava na Itália.

A Polícia Federal informou que Pizzolato consta do Sistema Nacional de Procurados e Impedidos (Sinpi), o que, em tese, o impediria de deixar o país. A última atualização sobre Pizzolato no sistema é de sexta-feira.

Desgaste – A fuga de Pizzolato tem potencial para causar desgastes ao governo federal. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, havia determinado ao diretor-geral da PF, Leandro Daiello, que coordenasse os trabalhos de cumprimento das ordens de prisão.

Continua após a publicidade

Na sexta-feira, feriado da Proclamação da República, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, expediu mandados de prisão para doze condenados, entre eles o ex-diretor do BB. Apenas Pizzolato não se entregou. Na noite de sexta, uma equipe da PF foi aos dois endereços do petista em Copacabana. Um dos apartamentos está alugado há dois meses. No outro, os agentes encontraram um procurador da família, que avisou que Pizzolato se entregaria na manhã de sábado. Era tudo uma farsa.

Desde as 6 horas de sábado, Pizzolato é considerado foragido da Justiça. No entanto, como havia um acordo para que ele se entregasse até o meio-dia, a polícia não ordenou buscas. Às 11h30, Marthius telefonou para o delegado avisando que Pizzolato havia fugido para a Itália. Na portaria de um dos endereços do ex-diretor, o advogado distribuiu uma carta escrita por Pizzolato criticando a imprensa e a Justiça.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.