Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O sinal decisivo de Bolsonaro para Guedes

Ministro da Economia considera que congelamento do reajuste dos salários dos servidores públicos é fundamental para a continuidade do seu trabalho

Por Thiago Bronzatto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
11 Maio 2020, 19h48

O presidente Jair Bolsonaro sempre relutou em mexer num tema que considera um vespeiro eleitoral: o salário de funcionários públicos. Por trás dessa discussão, segundo ele, há um cálculo político: 40 milhões de famílias afetadas, 40 milhões de votos a menos. Essa lógica de quem está de olho em uma reeleição contraria a cartilha liberal do ministro Paulo Guedes. Por isso, a decisão do Palácio do Planalto de vetar ou manter a possibilidade de reajustar a remuneração dos servidores pelos próximos dois anos, prevista no pacote de socorro aos estados e municípios, é considerada crucial para a equipe econômica.

Em uma conversa recente com seus secretários, Guedes disse: “Se o presidente não vetar será um sinal muito importante”. O ministro relembrou que quando topou participar da campanha de Bolsonaro em 2018, ele estabeleceu algumas hipóteses de trabalho. Dentre elas, estavam dois pontos essenciais: o apoio irrestrito do presidente à agenda econômica liberal e a disposição do Congresso em aprovar reformas estruturantes. Sem isso, seria inviável implementar um plano de retomada do crescimento do país.

Na semana passada, a Câmara aprovou a flexibilização do congelamento da remuneração de servidores públicos, um tema costurado entre o ministro e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre. Durante a votação, o deputado Major Victor Hugo (PSL-GO) ligou para o presidente e explicou que o governo sofreria uma derrota se não votasse contra Guedes. Para evitar um desgaste político, Bolsonaro orientou o parlamentar a seguir adiante. Essa movimentação foi vista como uma facada no chefe da equipe econômica.

Com isso, uma das hipóteses de trabalho de Guedes — a disposição do Congresso em apoiar as pautas econômicas do governo — ficou abalada. Agora resta outro pilar considerado fundamental para o ministro: o apoio do presidente. É nisso que o chefe da equipe econômica aposta todas as suas fichas nesta semana.

Continua após a publicidade

No domingo 10, Bolsonaro sinalizou que está afinado com o seu Posto Ipiranga: “Como o Paulo Guedes me disse, a questão dos ajustes na economia, amanhã a gente sanciona o projeto com veto e está resolvido. E tem tudo para dar certo, apesar dos fechamentos por aí”.

A decisão do presidente, que já se mostrou resistente à reforma administrativa, definirá se o homem que decide a economia no Brasil é de fato Paulo Guedes.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.