Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Netanyahu acusa Irã de continuar programa de armas atômicas

Primeiro-ministro israelense diz ter reunido um "arquivo atômico" com mais de 110 mil provas da retomada do programa por Teerã

Por Denise Chrispim Marin 30 abr 2018, 17h09

O primeiro-ministro de IsraelBenyamin Netanyahu, declarou hoje (30) ter em suas mãos mais de 55 mil páginas de evidências e outros 55 mil arquivos com provas de que o Irã mantém um arsenal de materiais necessários para construir armas nucleares, conforme publicou a rede de televisão BBC. Em 2015, o Irã firmou um acordo com seis potências no qual se comprometeu a manter apenas seu programa nuclear civil.

Netanyahu fez sua exposição em inglês sobre os “arquivos atômicos” do Irã da sede do Ministério da Defesa de Israel, em Tel Aviv. Sua denúncia foi televisionada. O material, informou ele, foi obtido pela inteligência israelense em um depósito secreto em Teerã e reunida em 183 CDs. Comprovaria, em sua versão, a permanência do “Projeto Amad”.

Por meio do Twitter, o ministro das Relações Exteriores do Irã,  Javad Zarif, acusou Netanyahu de “enganar as pessoas” e de parecer a um “menino que não para de chorar”. Também avisou que, se Washington denunciar o acordo, seu governo não estará disposto a manter seus compromissos de 2015. As consequências, acrescentou ele, “não serão agradáveis para os Estados Unidos“.

A denúncia do líder israelense chega no momento de insistente dúvida dos Estados Unidos sobre os termos do acordo de 1995 e o real comprometimento de Teerã com o fim do seu programa nuclear militar.

Donald Trump, presidente americano, pressiona os líderes europeus a reabrir as negociações do acordo e ameaça Teerã com a imposição de sanções econômicas a partir de 12 de maio. O tema fez parte de suas conversas, na semana passada, com o presidente da França, Emmanuel Macron, e com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

Continua após a publicidade

“Eu disse que isso estava acontecendo. Eles (os iranianos) não estão de braços cruzados”, disse Trump hoje, na Casa Branca. “Em sete anos, esse acordo vai expirar, e o Irã estará livre para ir adiante e criar armas nucleares. Isso não é aceitável.”

Segundo Netanyahu, o Projeto Amad tem o objetivo de produzir cinco ogivas nucleares, cada uma com capacidade equivalente à de 10 quilotoneladas de TNT. Valendo-se de uma apresentação em PowerPoint, ele argumentou que o Irã estaria desenvolvendo os elementos essenciais da produção de bombas nucleares e se preparando para testá-las em cinco locais diferentes.

“Aqui está o que os arquivos incluem: documentos incriminadores, conversas incriminadoras, apresentações incriminadoras, plantas incriminadoras, fotos incriminadoras, vídeos incriminadores e mais”, declarou. “Estes arquivos provam definitivamente que o Irã estava audaciosamente mentindo quando disse que nunca teve uma programa de armas nucleares.”

Os arquivos, segundo o primeiro-ministro, serão compartilhados com os Estados Unidos e enviados à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Mas ele conversou antes do anúncio, por telefone, com Trump sobre o tema e sobre as “atividades desestabilizadoras do Irã” no Oriente Médio. No domingo, Netanyahu recebera o novo secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

Segundo o jornal inglês The Guardian, o ex-inspetor chefe da AIEA Olli Heinonen afirmou que já vira o material apresentado por Netanyahu em 2005. “Eu só vi imagens que já tinha visto antes”, disse, acrescentando que havia falado sobre algumas delas para o conselho da AIEA, em reunião fechada.

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)