Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Militantes do PSDB protestam contra “golpe das prévias”

Por Gustavo Uribe

São Paulo (AE) – O movimento articulado por lideranças do PSDB para suspender a disputa por prévias, numa tentativa de abrir caminho para uma eventual candidatura do ex-governador José Serra à Prefeitura de São Paulo, levou militantes do partido a convocar um protesto, na noite desta quinta-feira, 16, em defesa da eleição interna, marcada para o dia 4 de março. Em e-mail enviado a militantes do partido e intitulado “Convocação Contra o Golpe”, tucanos favoráveis à disputa interna conclamam seus correligionários a se reunir nesta noite, a partir das 19 horas, na sede do diretório estadual do PSDB em São Paulo, para mostrar a “força da militância” em um ato “contra o golpe das prévias”.

Ontem, em nota divulgada à imprensa, parte da bancada tucana na Assembleia Legislativa de São Paulo pediu ao ex-governador José Serra que aceite disputar as eleições municipais e que o PSDB desista da prévia. A ação causou polêmica na legenda, dividida entre realizar ou não a disputa. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, defende que o ex-governador decida se será ou não candidato antes das eleições internas. No Palácio dos Bandeirantes, já são estudadas compensações para os quatro pré-candidatos abrirem mão da disputa interna. Em paralelo, as lideranças tucanas buscam uma brecha jurídica para permitir a entrada do ex-governador na disputa à sucessão da Prefeitura de São Paulo.

A resolução municipal que disciplina a eleição interna estabelece que o prazo final para inscrição de pré-candidatos terminou na última terça-feira. O argumento de dirigentes do partido, contudo, é de que o estatuto do PSDB não estabelece uma data limite para a participação neste processo. O presidente municipal da sigla, Julio Semeghini, informou ontem que os diretórios municipal e estadual do PSDB irão se reunir, após o feriado de carnaval, para discutir qual deve ser o entendimento sobre as inscrições para as prévias. Disputam as prévias os secretários da Cultura, Andrea Matarazzo, da Energia, José Aníbal e do Meio Ambiente, Bruno Covas, além do deputado federal Ricardo Trípoli.