Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Justiça absolve ex-deputados retratados em série da Netflix

'Bandidos na TV' mostra suposto envolvimento de programa de TV com criminalidade; Justiça não viu provas

Por Leonardo Lellis 31 jul 2021, 11h11

O Tribunal de Justiça do Amazonas absolveu o ex-deputado federal Carlos Souza e seu irmão, o ex-deputado estadual Fausto Souza do crime de associação para o tráfico de drogas, pelo qual haviam sido condenados a 15 anos de prisão. A Primeira Câmara Criminal do TJAM entendeu que não haviam provas suficientes para sustentar a sentença de primeira instância.

Os dois são irmãos do também político e apresentador Wallace Souza, morto em 2010, sem julgamento. O trio se revezava no comando do programa Canal Livre, campeão de audiência em Manaus entre os anos 1990 e 2000 com um programa policial ao estilo mundo-cão. A atração também alavancou a carreira política dos três.

O programa deu origem à série documental Bandidos na TV, da Netflix, que narra os suposto envolvimento dos três irmãos com o crime organizado da capital do Amazonas: os crimes noticiados seriam encomendados para se conseguir furos jornalísticos para angariar mais telespectadores. 

As investigações tiveram origem a partir do depoimento de um ex-policial militar preso em flagrante por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo em 2008.

Segundo a denúncia do Ministério Público, Fausto e Carlos utilizavam o programa para obter informações privilegiadas sobre o funcionamento de pontos de venda de traficantes concorrentes e planejavam reportagens para prejudicar o comércio de rivais, contando com o apoio de policiais do Departamento de Inteligência da Polícia Militar do Amazonas.

Para o desembargador, João Mauro Bessa, não há provas no processo que permitam chegar a esta conclusão. “Nada há nos autos que corrobore a versão acusatória na medida em que mesmo as provas inquisitoriais não revelam com clareza a possível participação de Carlos e Fausto nos episódios narrados”, escreveu. Além de Carlos e Fausto, outras quatro pessoas foram absolvidas por unanimidade. 

“A defesa técnica sempre sustentou que a acusação era desfundamentada e com forte componente político. Este processo foi a causa direta da morte de Wallace. Mais uma vez se comprova que o processo penal não pode ser espetacularizado e que o cidadão tem direito a um julgamento técnico, baseado apenas nas provas dos autos”, afirma o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, defensor de Carlos Souza.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês