Clique e assine com até 92% de desconto

Isolamento social em SP sobe de 47% para 57% na sexta de feriado

Taxa ainda é menor que a desejada pelo governo estadual, de 70%; o governador João Doria disse que pode endurecer medidas com multas e prisões

Por Larissa Quintino Atualizado em 11 abr 2020, 15h52 - Publicado em 11 abr 2020, 15h48

A adesão da população ao isolamento social no estado de São Paulo foi de 57% no feriado de sexta-feira santa, informou neste sábado o governo estadual. O índice é 10 pontos porcentuais maior que na quinta-feira, quando a marca foi de 47%, mas ainda longe do ideal desejado pela administração como medida de combate ao coronavírus, que é de 70%.

O monitoramento é feito pelo sinal de celular. Com georreferenciamento, o estado consegue monitorar o deslocamento nos 645 municípios dos estados. O sinal é disponibilizado pelas operadoras TIM, Vivo, Claro e Oi. Caso o cidadão saia de casa sem o celular, esse sinal é captado e compilado pelo sistema do governo para medir o distanciamento social.

ASSINE VEJA

O vírus da razão O coronavírus fura a bolha de poder inflada à base de radicalismo. Leia também: os relatos de médicos contaminados e a polêmica da cloroquina
Clique e Assine

Irritado com a queda a adesão à quarentena, que teve como recorde o recolhimento de 59% da população paulista no domingo passado, 5, o governador João Doria disse que irá endurecer medidas com multa e até mesmo prisões para conter deslocamentos e aglomerações. “Vamos fazer o teste neste final de semana. Se não elevarmos esse nível, que hoje é de 50%, para mais de 60% e caminharmos para 70%, na próxima semana, não apenas o governo do Estado, como também a prefeitura de São Paulo, tomarão medidas mais rígidas”, disse na quinta-feira. Na última semana, Doria prorrogou o fechamento de comércios e serviços não essenciais até o dia 23 de abril. 

Segundo o último balanço divulgado pelo governo federal, São Paulo é o estado recordista de casos de Covid-19 no Brasil: até sexta-feira eram 8.216 confirmados e 540 mortes, pouco mais da metade de todos óbitos registrados no país.

Continua após a publicidade
Publicidade