Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Inquérito vai apurar ação de PMs que resultou em morte de menino

Protesto contra morte do estudante Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, teve confronto entre moradores e policiais no Complexo do Alemão, no Rio

Por Da Redação 3 abr 2015, 18h56

A morte do menino Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, provocada por uma bala perdida durante um confronto entre policiais militares e traficantes ocorrido quinta-feira no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio, motivou a instauração de um Inquérito Polícia Militar para apurar a conduta dos PMs envolvidos na ação. No mesmo dia, uma mulher foi morta na fuga de ladões que atacaram uma joalheria na Tijuca. Silvia Maria A. da Costa, de 49 anos, foi atingida por três disparos. O garoto e a mulher foram duas das quatro vítimas baleadas nos últimos dias no Alemão.

Leia também:

Tragédia das balas perdidas faz mais duas vítimas no Rio de Janeiro

Também é investigada a morte de Elisabete Alves de Moura Francisco, baleada dentro de casa na tarde de quarta-feira. A filha dela ficou levemente ferida. Os policiais estão ouvindo familiares e testemunhas. Segundo a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), que auxilia a Divisão de Homicídios da capital fluminense na investigação da morte do menino Eduardo, os policiais do Batalhão de Choque e da CPP que estavam na ocorrência foram afastados do policiamento nas ruas e suas armas foram recolhidas para a realização de exame balístico.

“É prematuro tirar qualquer tipo de conclusão. Estamos colaborando com as investigações. A morte do Eduardo não ficará impune. Precisamos fazer deste episódio uma bandeira para a mudança. Não podemos permitir que outras famílias sintam a dor da mãe deste menino”, declarou o porta-voz da CPP, major Marcelo Corbage.

Continua após a publicidade

Protesto e confronto – Ainda na noite de quinta-feira, moradores foram às ruas protestar contra a violência e o que consideram abusos cometidos por policias militares nas favelas do Alemão. Nesta sexta, em novo protesto, cerca de 300 pessoas se manifestaram contra a morte do estudante de 10 anos. Eles fecharam a Estrada do Itararé, uma das principais entradas do Alemão.

O ato terminou em confronto com policiais militares, que tentaram dispersar os manifestantes. Os PMs atiraram bombas de gás contra as pessoas, que revidaram com pedras. A ação policial teve a participação de mais de 200 homens que reforçavam a segurança no Alemão. O clima ficou tenso e alguns moradores responderam jogando até mesmo bombas caseiras nos policiais.

Rotina – Tiroteios e mortes provocadas por balas perdidas são rotina para os 70.000 moradores das quinze comunidades do Complexo do Alemão. A violência, contudo, parece descontrolada pelos quatro cantos da cidade. Segundo dados do Instituto de Segurança Pública, entre 2008 e 2013, 891 pessoas foram atingidas por balas perdidas no Rio de Janeiro, sendo que 62 dessas acabaram morrendo. Os dados de 2014 ainda não foram divulgados, mas 2015 começou quebrando recordes. No mês de janeiro, 34 pessoas foram feridas, sendo que seis morreram.

Mulher é carregada após ser atingida por uma bala perdida durante tiroteio no Complexo do Alemão no Rio de Janeiro
Mulher é carregada após ser atingida por uma bala perdida durante tiroteio no Complexo do Alemão no Rio de Janeiro VEJA

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês