Clique e assine com até 92% de desconto

Com salário atrasado, agentes carcerários do Rio entram em greve

Paralisação envolve 4.500 servidores responsáveis por cerca de 57 mil detentos; categoria decide não receber novos presos e suspender audiências judiciais

Por Da Redação Atualizado em 17 jan 2017, 13h35 - Publicado em 17 jan 2017, 07h50

Os 4.500 agentes penitenciários responsáveis por vigiar os 57 mil detentos que estão nas 52 unidades prisionais do Rio de Janeiro entraram em greve a partir da 0h desta terça-feira. A paralisação por tempo indeterminado foi decidida durante assembleia nesta segunda-feira. Além de melhorias nas condições de trabalho, os agentes reclamam o pagamento de horas extras e gratificações atrasadas – algumas desde 2015 -, além dos salários de dezembro e do 13º.

  • Segundo Gutemberg de Oliveira, presidente do sindicato da categoria, serão mantidos apenas os serviços essenciais, como alimentação e tratamentos de saúde. As visitas estão suspensas e nenhum preso será conduzido a audiências judiciais. Os agentes também não vão receber pessoas presas pela Polícia Civil.

    “A gente não recebe salários nem tem condições mínimas de trabalho. Vivemos o tempo todo sob risco, em situação cada vez mais precária”, diz Oliveira.

    Uma nova assembleia da categoria está marcada para a próxima segunda-feira, o que deve levar a paralisação a durar ao menos sete dias.

    (Com Estadão Conteúdo)

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade