Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Greve da Polícia Civil pode ampliar caos no Espírito Santo

Categoria vota paralisação em assembleia na quinta-feira; policiais militares já estão aquartelados desde sábado para reivindicar melhores salários

Enfrentando um caos na segurança pública desde sábado por causa da ausência de policiais militares nas ruas, a região metropolitana de Vitória (ES) pode ver a situação se agravar na próxima quinta-feira, quando os policiais civis fazem assembleia para definir se entram em greve por melhores salários. A insegurança no estado fez o governo pedir ajuda ao presidente Michel Temer, que destinou mil militares das Forças Armadas e outros 200 da Força Nacional para patrulhar as ruas.

Nosso salário é um dos mais baixos do Brasil. Nos últimos anos, não houve recomposição por causa da inflação”, afirma Humberto Mileip, vice-presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol).  O governo afirma nem ter conhecimento da possibilidade de paralisação. O chefe da Polícia Civil no estado, Guilherme Daré, afirmou que os delegados dão apoio “incondicional” ao governo e que a corporação se empenha para apurar as causas dos homicídios e crimes contra o patrimônio.” Desde sábado, mais de 200 lojas foram saqueadas e o número de assaltos e homicídios disparou. A volta às aulas, prevista para segunda-feira, foi adiada. Várias repartições públicas estão restringindo atendimento.

Em nota, o sindicato dos policiais civis se solidarizou com os militares e orientou filiados sobre como procederem durante a paralisação. “Diante do justo, legítimo e necessário movimento realizado pelos familiares dos policiais militares do Estado do Espírito Santo, que provocou o aquartelamento, o Sindipol-ES alerta os policiais civis e toda sociedade que a estrutura da segurança pública do estado está comprometida. Por isso, o sindicato pede que os policiais civis não arrisquem suas vidas e aceitem desvios de função”, afirma a entidade.

O texto diz ainda que o sindicato “entende que os policiais civis que desempenham suas atribuições de polícia judiciária e nas ruas também dependem dos profissionais da co-irmã Polícia Militar para realizar um trabalho digno e com segurança para si e para a sociedade. Desta maneira, alertamos para que os policiais civis não coloquem suas vidas em risco”.

Greve branca

O caos começou a se instaurar, principalmente na região metropolitana de Vitória, no sábado, quando parentes de policiais militares começaram a protestar em frente aos batalhões impedindo a saída dos veículos, o que praticamente deixou as ruas sem policiamento. Os PMs, que são proibidos por lei de fazer greve, reivindicam reajuste salarial e pagamento de auxílio-alimentação, auxílio-periculosidade, insalubridade e adicional noturno aos PMS.

A Justiça do Espírito Santo declarou ilegal o movimento dos familiares dos policiais militares, que estão acampados em frente a 11 batalhões em mais de 30 cidades do estado. Eles reivindicam reajuste salarial e melhores condições de trabalho da categoria. A Força Nacional foi acionada para ajudar na segurança dos municípios.

No documento em que declara a ilegalidade do movimento, o desembargador Robson Luiz Albanez afirma que a proibição de saída dos policiais militares caracteriza uma tentativa de greve por parte deles. Uma multa de 100.000 reais foi fixada às associações que representa os policiais capixabas, caso haja descumprimento da decisão.

“O aquartelamento dos militares corresponde a uma ‘greve branca’, uma vez que representa a tentativa de busca de melhores condições salariais, daí a ilegalidade do movimento, haja vista a vedação expressa do exercício do direito de greve aos militares”, enfatizou a autoridade. “Sendo assim, tenho como ilegal a deflagração do movimento grevista velado pelos militares.”

Segundo o diretor social e de relações públicas da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar (ACS), Thiago Bicalho, o movimento foi espontâneo. De acordo com a entidade, o salário-base de um policial no estado é 2 600 reais, enquanto a média nacional chega a 4 000 reais. A entidade argumenta que há anos os policiais não têm aumento salarial e que essa situação acabou por motivar familiares dos policiais a fazerem as manifestações em frente aos quartéis.

(com Estadão Conteúdo)
Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Vergonha! Esse paós acabou mesmo. Em breve estaremos vivendo situação igual a de países em guerra civil.

    Curtir

  2. Democrata Cristão

    Lembrando sempre, que esta situação caótica foi provocada pela Dilma-Lula-PT e seus asseclas PSOL, PDT, PCdoB e REDE e também outros partidos como PSTU, PCB e PCO. Mais uma vez provado que o Marxismo não funciona. Esquerda nunca mais!

    Curtir

  3. persianasflaci.blogspot.com

    Brasil virou terra de ninguem,

    Curtir

  4. Paulo Bandarra

    A ainda querem comparar os militares aos demais servidores. Não fosse eles aonde ficaríamos numa hora destas?

    Curtir

  5. Luiz Carlos Porto

    Sem dúvidas que o policial do ES não ganha bem. Mas faço três perguntas… 1) Quem está se dando bem com essa situação? 2) Quem está sendo prejudicado com essa greve? 3) Quem é que paga 50% de impostos em tudo que compra?

    Curtir

  6. Luiz Carlos Porto

    INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS DO SUL JÁ!

    Curtir

  7. Pietro Muniz Giotto

    Tinha até uma candidata a vereadora pelo PSDB, de nome Marcela Ranocchia, saqueando loja. Isso a Veja não publica, mas se fosse do PT, a notícia estaria em letras garrafais, não é mesmo dona Veja.

    Curtir

  8. João Alves Araújo Filho

    O Governo (?) do Espírito Santo se gaba de ter a menor população carcerária do país.
    Os bandidos desencarcerados e barbarizando a população!
    Esses são os brasileiros cordiais!
    Perguntas:
    Qual o salário de um aspone dá assembleia do ES?
    Qual é um salário de um aspone do TJ do ES?
    Qual o salário de um soldado do ES?
    Acorda Brasil!

    Curtir