Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Funcionários da Unicamp iniciam greve por reajuste

Servidores rejeitaram proposta de 1,5% de aumento salarial; Unesp e USP também discutem paralisação

Por André Siqueira
Atualizado em 23 Maio 2018, 17h11 - Publicado em 23 Maio 2018, 16h17

Os servidores técnico-administrativos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) iniciaram nesta terça-feira, 22, uma greve para reivindicar reajuste salarial de 12,6%. A universidade ofereceu aumento de 1,5% em reunião na semana passada – proposta rejeitada pelos servidores. Eles reclamam de perdas acumuladas nos últimos três anos.

Em manifestação nesta terça, os servidores percorreram o campus com cartazes e foram até a reitoria. A Biblioteca Professor Joel Martins fechou as portas. Uma mensagem no prédio ontem informava que o atendimento estaria interrompido por “tempo indeterminado”.

O Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU) não divulgou o número de funcionários parados e a reitoria afirma que todas as unidades funcionaram normalmente. Segundo a Unicamp, o aumento proposto “é o que a conjuntura atual permite”. A principal fonte de receita das universidades estaduais paulistas é a cota fixa de 9,57% da arrecadação estadual do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

USP e Unesp

O reajuste oferecido a servidores da Unicamp é o mesmo proposto a trabalhadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Docentes da USP aprovaram indicativo de greve a partir de segunda-feira. Na Unesp, nova assembleia nesta sexta-feira decidirá se haverá paralisação.

Para o professor João Chaves, coordenador do Fórum das Seis, que representa sindicatos de professores e funcionários das três universidades, a proposta de reajuste é “um insulto”. Chaves destaca ainda problemas como falta de reposição de funcionários nas instituições. “Esse dinheiro (do ICMS) tem sido aplicado em várias coisas, menos para a contratação.”

Em comunicado na semana passada, o Cruesp – conselho formado pelos reitores das paulistas – informou que “envidará todos os esforços institucionais possíveis de recuperação salarial tão logo as condições econômicas permitam”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.