Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Corpo de mulher é encontrado na área onde adolescente foi morta no PR

Polícia procura indícios de ligação entre os casos; parentes de policiais presos por suspeita de tortura fazem protesto

Por Da Redação
26 jul 2013, 13h14

A Polícia Militar do Paraná encontrou o corpo de uma mulher a cerca de 800 metros do local onde a jovem Tayná Adriane da Silva, de 14 anos, foi estrangulada e morta, em Colombo, na região metropolitana de Curitiba.

A descoberta do corpo ocorreu na terça-feira, em uma área de reflorestamento isolada. Segundo a Polícia Civil, a mulher foi identificada como Jennifer Priscila de Oliveira, de 20 anos, funcionária de uma ótica da cidade. Ainda segundo a polícia, ela havia sido vista com vida pela última vez na noite de segunda-feira, quando saiu do trabalho.

A polícia afirma que procura indícios de ligação entre as mortes de Jennifer e Tayná. De acordo com a delegacia de Alto Maracanã, o corpo de Jennifer apresentava sinais de espancamento. Ainda não se sabe se ele foi morta no local ou se o corpo foi levado até lá. A área fica próxima de uma rodovia estadual.

Protesto – Na quinta-feira, a morte da adolescente Tayná Adriane da Silva completou um mês. O desenrolar do caso provocou uma crise na Polícia Civil e a prisão de catorze pessoas, entre elas dez policiais civis e um policial militar, acusados de torturar quatro funcionários de um parque de diversões para que eles confessassem o crime. O caso também influenciou a queda do ex-delegado-geral do Paraná Marcus Vinicius Michelotto, que acabou sendo substituído. Até o momento, o caso segue sem solução.

Na tarde de quinta-feira, um grupo de 80 pessoas, a maioria parentes dos policiais presos, realizou um protesto pelas ruas de Colombo. Entre os manifestantes estava a mãe de Tayná, Cleusa da Silva, que pediu justiça para o caso e afirmou a jornais locais estar convencida de que os funcionários do parque que foram inicialmente presos têm envolvimento com o caso. Os quatro funcionários foram incluídos em um programa de proteção a testemunhas e foram levados para outro estado.

Continua após a publicidade

Crime –A adolescente Tayná desapareceu em Colombo no dia 25 de junho. Dois dias depois, a polícia prendeu os quatro funcionários do parque de diversões. No dia seguinte, o corpo de Tayná foi encontrado.

Inicialmente, a investigação da morte da adolescente foi tratada como um trabalho bem-sucedido da polícia: 48 horas após o sumiço, quatro suspeitos estavam presos e haviam confessado o crime.

Por essa versão, os quatro homens notaram Tayná, que morava na região e costumava passar em frente ao terreno onde o parque estava montado. Em um determinado dia, eles a teriam sequestrado, estuprado e depois enterrado seu corpo. A divulgação do suposto envolvimento causou revolta na população local que, em represália, incendiou o parque.

Reviravolta – O caso mudou de rumo poucos dias depois das prisões, quando uma perita afirmou que não havia indícios de estupro no corpo da menina. No dia 9 de julho, foi divulgado que o DNA do sêmen encontrado nas roupas da jovem não bateu com as amostras coletadas dos suspeitos.

Continua após a publicidade

Na sequência, a seção local da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) denunciou que havia provas “inequívocas” de que os suspeitos tinham sido espancados, sufocados e eletrocutados para confessar o crime. O Ministério Público também argumentou que as confissões haviam sido obtidas sob tortura. Por fim, os quatro presos acabaram soltos.

As denúncias levaram ao afastamento dos delegados do caso e de toda a equipe de policiais da delegacia de Colombo, que sofreu a intervenção da Secretaria de Segurança Pública do Paraná. A Corregedoria da Polícia Civil também pediu a prisão preventiva dos policiais envolvidos no caso de suspeita de tortura. Todos acabaram sendo presos na semana passada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.