Clique e assine com 88% de desconto

Comissão sobre impeachment de Crivella terá vereador aliado como membro

Um dos três nomes sorteados, Paulo Messina (Pros) se exonerou do cargo de chefe da Casa Civil exclusivamente para defender o prefeito na Câmara

Por Leandro Resende - 2 abr 2019, 18h52

A Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro aprovou a abertura do processo de impeachment do prefeito Marcelo Crivella (PRB) na tarde desta terça-feira, 2 de abril.

Apesar do placar elástico (35 votos favoráveis a 14 contrários – bastavam apenas 26), o prefeito não pode reclamar da sorte. Seu mais fiel aliado foi escolhido por sorteio para participar da comissão processante: Paulo Messina (Pros), que pediu exoneração do cargo de secretário da Casa Civil hoje justamente para ir à Câmara votar contra a abertura do processo de impeachment.

Messina que é conhecido nos bastidores da política do Rio como uma espécie de “primeiro-ministro” do governo de Crivella, será membro da comissão processante, que terá 90 dias para apresentar relatório a favor ou contra o impeachment de Crivella.

Formada por três vereadores, a comissão será presidida por William Coelho (MDB), que votou a favor da abertura do processo. O relator será Luiz Carlos Ramos Filho (Pode). Ele é filho do ex-secretário de relações institucionais da gestão Crivella, o deputado federal Luiz Carlos Ramos e, assim como Messina, votou contra a abertura do processo.

Publicidade