Clique e assine com até 92% de desconto

Cantareira interrompe sequência de 19 dias de elevação

Número divulgado pela Sabesp, de 47,7%, considera o 'volume morto' como parte do volume útil do sistema, que abastece de água a Grande São Paulo

Por Da Redação 14 fev 2016, 11h11

O volume de água armazenado no Sistema Cantareira continuou estável neste domingo após uma sequência de dezenove dias de altas, encerrada no sábado. Segundo relatório divulgado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o manancial opera com 47,7% da capacidade, mesmo volume da véspera. Esse índice considera a reserva profunda (ou “volume morto”) como se fosse volume útil do sistema.

Conforme o índice que calcula a reserva profunda como volume negativo, o nível do manancial manteve os 18,4% do dia anterior. Já o terceiro índice repetiu os 36,9% de sábado. Esse terceiro índice, que chegou a medir o “volume negativo” no Cantareira, corresponde ao volume armazenado menos o volume estocado no reservatório que só pode ser utilizado com bombeamento, sobre o estocado no reservatório que pode ser utilizado sem bombeamento.

Atualmente responsável por abastecer o maior número de pessoas na capital paulista e na Grande São Paulo (5,8 milhões), o Guarapiranga sofreu nova redução no volume armazenado, que caiu de 81,1% para 80,9%. O manancial está desde 28 de janeiro sem registrar aumento no volume armazenado.

Também sofreu uma redução o sistema Rio Grande. No sábado, o manancial tinha 86,6% de volume armazenado e neste domingo tem 86,3%. Já o sistema Alto Cotia caiu de 100% para 99,8%.

Ainda em crise, o Alto Tietê se manteve estável neste domingo, em 28,6%. O índice considera o volume morto adicionado no fim de 2014. Assim como o Cantareira, o sistema Rio Claro (81,5%) manteve o mesmo volume armazenado de sábado para domingo.

Leia mais:

Cetesb exige estudo de reparo de barragem que se rompeu no Paraíba do Sul

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade