Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bruno vai ao fórum, tira foto com fã e diz que irá morar no Rio

Ex-goleiro, que diz ter proposta de nove clubes para voltar a jogar, se apresenta à Justiça para informar residência e cumprir imposição do STF ao soltá-lo

Por Da redação Atualizado em 2 mar 2017, 19h44 - Publicado em 2 mar 2017, 19h07

Em liberdade há seis dias, o ex-goleiro Bruno Fernandes, 32 anos, compareceu nesta quinta-feira ao fórum de Santa Luzia, na Grande Belo Horizonte, para informar que irá morar no Rio de Janeiro. Esta era a única exigência imposta pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, que lhe concedeu habeas corpus no dia 24 de fevereiro. Condenado a 22 anos e três meses de prisão pelo assassinato da amante Eliza Samudio, Bruno ficou preso por seis anos e sete meses.

Ao chegar ao tribunal, Bruno posou sorridente para fotos com uma admiradora e não respondeu às perguntas dos jornalistas, que o esperavam na porta do fórum. Ele vestia a camiseta regata de uma organizada do Atlético-MG, a Galoucura – ele jogou no clube mineiro entre 2002 e 2006. O advogado Luan Veloso Coutinho afirmou que ele está de partida para o Rio, onde a sua atual esposa, Ingrid Calheiros, tem residência. Era no Rio que ele atuava como jogador, pelo Flamengo, em 2010, quando foi preso pelo crime.

Solto há menos de uma semana, nove clubes de futebol já manifestaram interesse em contratar o ex-jogador, segundo o advogado. Coutinho disse que as primeiras propostas vieram do Brasiliense, do Distrito Federal, e do Betinense, de Minas. A defesa de Bruno agora se prepara para defendê-lo no processo de pensão alimentícia e de reconhecimento de paternidade de Bruninho, o filho que supostamente ele teve com Eliza.

Ao deferir o habeas corpus, Marco Aurélio escreveu que “nada, absolutamente nada, justifica” a manutenção da prisão preventiva de Bruno, que havia sido decretada em 2010. O ministro cita o fato de ele ser réu primário e ter “bons antecedentes”. A decisão ainda precisa ser confirmada pelo plenário do STF. “O clamor social surge como elemento neutro, insuficiente a respaldar a preventiva”, escreveu Marco Aurélio. O pedido de habeas corpus de Bruno estava nas mãos do ministro Teori Zavascki, morto em um desastre aéreo em janeiro deste ano, e foi distribuído para Marco Aurélio após o incidente.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês