Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Assassinatos, fugas e prisões – confira cronologia do caso Battisti

O ex-militante italiano Cesare Battisti é preso na Bolívia após anos da condenação por causa de quatro assassinatos; entenda a história

O italiano Cesare Battisti foi preso neste sábado em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, 26 anos após ser condenado à prisão perpétua. Foragido desde dezembro, ele é acusado de cometer quatro assassinatos nos anos 1970.

Na época, Battisti integrava a organização Proletários Armados Pelo Comunismo. O italiano nega os crimes e se diz vítima de perseguição política.

A cronologia dos fatos:

1954: Cesare Battisti nasceu na Itália

1977: Preso pela terceira vez no país, na prisão, conheceu o ideólogo dos Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) e se aproximou da militância comunista

1979: Quatro assassinatos foram atribuídos ao PAC. O italiano foi acusado de envolvimento em pelo menos dois deles e é condenado a doze anos de prisão

1981: Battisti consegue fugir da prisão e se refugia clandestinamente na França, onde conheceu uma de suas futuras esposas

1982: O italiano foge para o México

1985: O então presidente francês François Mitterand indicou que “pessoas envolvidas em atividades terroristas na Itália até 1981 e que tivessem abandonado a violência” poderiam optar pela não-extradição para a Itália, caso não praticassem mais crimes

1990: Battisti retorna então à França

1991: O italiano é preso após um pedido de extradição da Itália, mas é solto quatro meses depois pela Câmara de Acusação de Paris, que negou o pedido

1993: Ele é condenado à prisão perpétua pela corte de Milão por quatro crimes que aconteceram na década de 70

2004: Battisti foge novamente, desta vez para o Brasil, após a França conceder a sua extradição

2007: Battisti é preso no Rio de Janeiro

2009: O então ministro da Justiça do Brasil, Tarso Genro, é favorável à concessão do status de refugiado político a Battisti. No final do mesmo ano o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou ilegal o status de refugiado e permitiu a extradição do italiano

2010: No último dia de mandato como presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva nega a extradição de Battisti

2011: O STF decidiu soltar Battisti, preso desde março de 2007. O ex-militante começa a escrever diversas obras

2015: O italiano é preso em Embu das Artes, em São Paulo, onde morava com a mulher a filha. Ele foi solto sete horas depois após permanecer na carceragem da Superintendência da Polícia Federal de São Paulo

2017: Ele é preso pela Polícia Rodoviária Federal em Corumbá tentando atravessar a fronteira do Brasil com a Bolívia. A Justiça decide soltar Cesare Battisti, após o governo italiano pedir para o Brasil reconsiderar a decisão de não extraditá-lo

2018: O presidenteMichel Temer(MDB) assinou  um decreto de extradição para a Itália do ex-ativista italiano.Ele foi considerado foragido e, segundo a Polícia Federal, “ele está em um lugar incerto e não sabido”.  A PF fez mais de 32 operações para checar as informações do paradeiro do italiano.

2019: Battisti é preso na Bolívia

O ex-ativista de extrema esquerda italiano Cesare Battisti, 52, é escoltado por policiais da Polícia Federal ao chegar em Brasília (DF). Battisti foi um dos chefes da organização de extrema esquerda Proletários Armados pelo Comunismo. Os assassinatos pelos quais foi condenado ocorreram em 1978 e 1979. Ele foi preso no Rio de Janeiro, onde estava desde 2004 – 19/03/2007

O ex-ativista de extrema esquerda italiano Cesare Battisti, 52, é escoltado por policiais da Polícia Federal ao chegar em Brasília (DF). Battisti foi um dos chefes da organização de extrema esquerda Proletários Armados pelo Comunismo. Os assassinatos pelos quais foi condenado ocorreram em 1978 e 1979. Ele foi preso no Rio de Janeiro, onde estava desde 2004 – 19/03/2007 (Lula Marques/Folhapress)