Clique e assine a partir de 8,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

De ‘Grey’s Anatomy’ a ‘The Good Doctor’, como a TV vai abordar a pandemia

Séries como 'Black-ish' e 'Station 19' também vão aplicar os dramas causados pela Covid-19 ao roteiro. No Brasil, quem puxa a fila é 'Sob Pressão'

Por Tamara Nassif - Atualizado em 2 out 2020, 15h31 - Publicado em 2 out 2020, 15h27

À medida em que produções recebem sinal verde para voltar à ativa, uma outra questão desponta: há espaço, meio e maneira de tratar da pandemia dentro da ficção? A resposta sai em alto e bom som: sim, e, no caso específico das séries médicas, não há como não abordar o coronavírus nas tramas. No Brasil, a série da Globo Sob Pressão puxa a fila, com dois episódios especiais denominados de Plantão Covid para homenagear os profissionais na linha de frente da crise causada pela Covid-19. Na gringa, a lista é extensa.

A popular Grey’s Anatomy vem como exemplo. Em sua 17ª temporada, com estreia em novembro deste ano, o enredo seguirá duas linhas do tempo diferentes: uma dando continuidade aos eventos da temporada anterior, outra introduzida no olho do furacão da pandemia. A showrunner Krista Vernoff explica a decisão: “Acho que todos nós esperávamos que, quando o mundo entrou em lockdown, a pandemia fosse material para um episódio, ou talvez um especial de duas partes. Mas, cá estamos nós, seis meses depois e ainda não podendo abraçar nossos pais. Então a pandemia vai estar enraizada na temporada.”

“Todo ano, temos médicos contando para nós suas histórias, e normalmente são as mais engraçadas ou as mais bizarras. Agora, tem soado muito mais como uma espécie de terapia para eles”, ela explicou em um painel de entrevistas, ocorrido em julho. “Nós somos as primeiras pessoas a quem eles estão confidenciando essas experiências. Eles tremem e tentam não chorar, estão pálidos e falando da Covid-19 como se fosse uma guerra para qual eles não foram treinados para lutar. Sinto como se nosso programa tivesse a responsabilidade de contar algumas dessas histórias.”

‘The Good Doctor’ abordará a pandemia do coronavírus em sua quarta temporada, com direito a máscaras e um crachá de identificação. Foto concedida com exclusividade ao site americano Entertainment Weekly. Jeff Weddell/Estúdio ABC

The Good Doctor, série protagonizada por um jovem doutor autista e sucesso no streaming Globoplay, se soma a lista, ainda que tenha hesitado em se adereçar à pandemia. “Nós consideramos não falar do coronavírus”, disse o produtor David Shore em entrevista à revista americana Entertainment Weekly. “Não sabíamos se o público gostaria de assistir a algo que já estamos vivendo por tanto tempo. Mas isso nos parecia desonesto para uma série médica e para a humanidade como um todo; essas histórias merecem ser contadas.” Na trama da quarta temporada, também com estreia em novembro, os médicos do hospital St. Bonaventure passarão pelas esmagadoras incertezas, perigos, fracassos – e, claro, pelas máscaras. Uma curiosidade sobre os equipamentos de proteção é que, ao longo dos episódios, os profissionais da série usarão um crachá com uma foto de seus rostos, para que os pacientes tenham algo com que se relacionar e ultrapassar a barreira da impessoalidade que as máscaras trazem.

Em uma guinada mais inesperada, a série de comédia americana Black-ish, que, apesar de não ter a medicina como foco, não vai deixar de pincelar a pandemia – dado até que é de seu feitio sincronizar questões do mundo real com o enredo da trama, em especial o racismo. “Nós somos um programa que se passa na mesma realidade em que vivemos”, disse a produtora Courtney Lilly. “Não tem nenhuma versão possível de nós que não abordaria o que tem acontecido”. Na estreia da sétima temporada, datada para 21 de outubro, mais do que tratar dos dilemas do trabalho do protagonista Dre (Anthony Anderson) no mundo da publicidade, Black-ish colocará o trabalho de médica de sua esposa Bow (Tracee Ellis Ross) sob os holofotes. Courtney diz que Bow e outros profissionais essenciais estão “vendo uma realidade diferente da que o resto de nós está vendo”. A ideia é que o olhar dela e de outros personagens se mesclem ao longo da pandemia.

Para além de hospitais, séries estreladas por outros trabalhadores essenciais também vão entrar na seara da pandemia: desta vez, os bombeiros. Produzida por Shonda Rhimes, a aclamada roteirista por trás de Grey’s Anatomy e How To Get Away With Murder, a série Station 19 se passa no mesmo universo da série médica da Meredith Grey, inclusive tem a sede de bombeiros a três blocos de distância do hospital em Seattle, então também será afetada de algum modo pela Covid-19. “Ela é diferente em Station 19 em comparação a Grey’s Anatomy, porque não é um hospital, então os protocolos são diferentes e os profissionais não precisam usar equipamentos de proteção individual a todo momento”, explica a produtora de ambas as tramas, Krista Vernoff. Os bombeiro de Chicago Fire – do mesmo universo de Chicago MedChicago P.D. – também enfrentarão o vírus de uma forma mais atenuada.

Continua após a publicidade
Publicidade