Clique e assine a partir de 9,90/mês
Roberto Pompeu de Toledo Por Roberto Pompeu de Toledo

A lição da ema

O Exército enfrenta hoje a guerra da cloroquina

Por Roberto Pompeu de Toledo - Atualizado em 31 jul 2020, 13h04 - Publicado em 31 jul 2020, 06h00

O Exército brasileiro carece de glórias. Ao longo de sua história, em duas cruciais ocasiões nas quais foi chamado a bater-se, numa saiu-se com heroísmo, na outra conheceu humilhante fiasco. Gloriosa foi a participação na II Guerra Mundial; inglória foi a guerra contra o arraial do beato Antônio Conselheiro, em Canudos. O envolvimento com o governo Bolsonaro, pelo que se observa até agora, ameaça entrar para a história da força pelo lado, se não do fiasco, da lamentável sabujice. Exemplo disso é a adesão do Exército à “guerra da cloroquina”, tal qual proposta pelo presidente.

A participação na II Guerra foi gloriosa, antes de tudo, por ter sido travada contra um inimigo indesculpável. As simpatias dos dois principais chefes militares do período, os marechais Dutra e Goes Monteiro, estavam com o nazifascismo, mas a matreirice do presidente Getúlio Vargas e, sobretudo, a força conjugada da economia, da geopolítica e dos ventos da história empurraram o Brasil para os braços dos aliados. Os 25 000 homens da Força Expedicionária enviada à Europa lutaram com bravura e sua contribuição para a libertação da Itália é reconhecida nas comunas onde atuaram.

Os brasileiros que visitam a Toscana deveriam incluir no roteiro o antigo cemitério de Pistoia. Os corpos dos 465 pracinhas ali inicialmente enterrados foram removidos para o memorial da Praia do Flamengo, mas seus nomes continuam inscritos num muro atrás do bonito monumento projetado pelo arquiteto Olavo Redig de Campos. Uma pira eterna e a bandeira nacional completam a discreta e comovente solenidade do local. Não é fácil, nestes tempos em que os bolsonaristas, como na ditadura, sequestraram os símbolos nacionais, encontrar lugar onde a bandeira brasileira cause emoção. Pistoia é um deles.

A Guerra de Canudos, como espelho invertido, foi inglória, antes de tudo, por ter sido travada contra o inimigo errado. Quatro expedições militares foram enviadas para enfrentar o que não passava de um ajuntamento de gente miserável. Mesmo assim, três foram derrotadas. A derrota mais acachapante foi a da terceira expedição, comandada pelo coronel Moreira César, no auge do prestígio com que arrasara, na antiga cidade do Desterro, a atual Florianópolis, o último foco de resistência da Revolução Federalista. Moreira César chegou arrotando moral. “Vamos almoçar em Canudos”, prometeu, ao aproximar-se do vilarejo. Levou um tirambaço na barriga e morreu.

Continua após a publicidade

“O Exército enfrenta hoje a guerra da cloroquina”

Sucedeu-lhe o coronel Tamarindo, celebrizado pelo brado com que proclamou a parada perdida: “É tempo de murici, cada um cuide de si”. Foi morto na fuga. Mas seu grito exibe apenas a face folclórica da vergonha suprema em que se constituiu a campanha como um todo. A guerra foi ganha à custa da mobilização de 5 000 homens, recursos como o canhão apelidado de “Matadeira”, a presença do próprio ministro da Guerra no teatro das operações e, no fim, com o “inimigo” vencido, a igno­mínia de abatê-los com golpes que lhes arrancavam a cabeça.

A guerra da cloroquina é a que, no Brasil reescrito sob inspiração bolsonarista, enfrenta hoje o Exército nacional — e vence com brio, segundo seu comandante, general Edson Pujol. Num vídeo para consumo interno da força, o general celebrou o aumento da produção de cloroquina e álcool em gel pelos laboratórios do Exército, e sua distribuição para o atendimento dos soldados enfermos. Se ficasse por aí, estaria comemorando apenas o cumprimento de uma ordem presidencial. Mas acrescentou: “Com orgulho, informo que a pronta resposta já recuperou milhares de integrantes de nossa família verde-oliva”, e assim convalidou a eficácia do remédio.

Ponto para Bolsonaro, no empenho em converter o Exército às suas manias. Carecer de glórias é o normal, para as Forças Armadas de países com poucas guerras. Ruim é colecionar vergonhas. Na disputa entre cloroquina e tubaína deu cloroquina na cabeça, na visão do Exército. Danou-se, tubaína! O governo brasileiro iniciou a guerra da cloroquina a reboque dos EUA, e nisso seguiu o modelo da II Guerra Mundial, embora a diferença entre os EUA de Roosevelt e o de Trump equivalha à existente entre uma batalha sob o comando do general Patton e outra sob o do coronel Tamarindo. Trump ultimamente deu sinais de hesitação, na fidelidade à cloroquina, mas Bolsonaro segue firme, a ponto de ter tentado trazer para a causa uma das emas do Palácio da Alvorada, mostrando-lhe sedutoramente uma caixa do remédio. A ema não foi em sua conversa. O Exército foi.

Os textos dos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião de VEJA

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 5 de agosto de 2020, edição nº 2698

Publicidade