Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Temer se encontra com Dilma e vence braço de ferro; não vai mais ser vítima de assédio

Aposto que não haverá mais ministros dando declarações em seu nome e que o vice não mais será compelido a dizer o que não pensa sobre o impeachment

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 23h54 - Publicado em 10 dez 2015, 00h08

Vamos lá. Michel Temer, vice-presidente da República, e Dilma Rousseff, a presidente, se encontraram por 50 minutos na noite desta quarta.

Ele disse o que acertaram:
“Combinamos, eu a presidente Dilma, que nós teremos uma relação pessoal, institucional, que seja a mais fértil possível”.

Ela preferiu emitir uma nota:
“Na nossa conversa, eu e o vice-presidente Michel Temer decidimos que teremos uma relação extremamente profícua, tanto pessoal quanto institucionalmente, sempre considerando os maiores interesses do País”.

Ele escolhe a palavra fértil, que quer dizer fecundo, farto, produtivo. Com uma restrição: tudo isso dentro do “possível”.

Ela diz que a relação será “profícua”, que quer dizer frutífera, proveitosa. Não falou do “possível”. Preferiu um advérbio de intensidade: “extremamente”. Com alguma frequência, advérbios não querem dizer nada na boca ou na pena de políticos. São apenas “verba” que “volant”…

Continua após a publicidade

Depois das pressões absurdas de que ele foi alvo e da carta em que deu um chega pra lá, até que a coisa ficou de bom tamanho.

É claro que ele venceu esse pequeno braço de ferro.

Aposto que não haverá mais ministros dando declarações em seu nome e que o vice não mais será compelido a dizer o que não pensa, porque sabe ser falso: que um eventual impeachment é golpe.

Temer pode agora ficar onde estava, o que lhe assegura a Constituição. Caso Dilma seja impedida, ele assume.

E ponto.

Continua após a publicidade
Publicidade