Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Putin vence eleição contestada pelas oposições

Na VEJA Online: O homem forte da Rússia, Vladimir Putin, voltará ao Kremlin após conquistar, neste domingo, a vitória em eleições que chamou de “abertas e honestas”, mas contestadas pela oposição, que as qualificou de “fraudulentas” e “ilegítimas”. Segundo resultados parciais divulgados pela comissão eleitoral, Putin obteve 64,39% dos votos, contabilizados os votos de 50% […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 09h24 - Publicado em 5 mar 2012, 07h23

Na VEJA Online:
O homem forte da Rússia, Vladimir Putin, voltará ao Kremlin após conquistar, neste domingo, a vitória em eleições que chamou de “abertas e honestas”, mas contestadas pela oposição, que as qualificou de “fraudulentas” e “ilegítimas”. Segundo resultados parciais divulgados pela comissão eleitoral, Putin obteve 64,39% dos votos, contabilizados os votos de 50% das seções eleitorais. O comunista Ziuganov ficou na segunda posição, com 17,13% dos votos, e em terceiro, o multimilionário Mikhail Projorov (6,97%), com estreita vantagem sobre o populista Vladimir Jirinovski (6,71%). O último colocado foi o centrista ligado ao Kremlin Serguei Mironov (3,72%).

A taxa de participação se situou em 64%, segundo os últimos números provisórios da comissão eleitoral. Cento e nove milhões de eleitores estavam convocados a votar na Rússia, um país com nove fusos horários. “Vencemos em uma batalha aberta e honesta”, disse Putin, com lágrimas nos olhos, segundo imagens exibidas ao vivo pela televisão russa, diante de mais de 110 mil seguidores que se concentraram perto da Praça Vermelha para comemorar a vitória.

“Nossos eleitores sabem diferenciar entre o desejo de renovação e as provocações políticas, cujo objetivo é destruir nosso Estado e usurpar o poder”, acrescentou, em clara alusão ao movimento de contestação sem precedentes que há três meses protesta contra seu regime. Vladimir Putin, que volta ao Kremlin para um terceiro mandato, após os dois consecutivos exercidos entre 2000 e 2008, estava acompanhado do presidente em fim de mandato, seu afilhado político Dimitri Medvedev, que abriu mão da reeleição para permitir que seu mentor voltasse ao Kremlin. Para Medvedev, “o país e cada um de nós precisávamos desta vitória”. “Não deixaremos que arrebatem nossa vitória!”, exclamou.

A oposição, que convocou uma grande manifestação para a noite de segunda-feira na capital russa, denunciou eleições “fraudulentas” e “ilegítimas”. O candidato comunista, Guenadi Ziuganov, afirmou que a eleição foi “um roubo, absolutamente desonesta e indigna”. “Não reconhecemos estas eleições”, acrescentou. Para Vladimir Rijkov, um dos organizadores das manifestações opositoras de dezembro, “estas eleições não podem ser consideradas legítimas”. “Amanhã pela manhã teremos contabilizado 20 mil, 30 mil casos de fraude”, denunciou em declarações à televisão estatal.

Denúncias
Antes mesmo do fechamento das urnas, representantes de alguns candidatos da oposição, organizações de observação eleitoral Golos e Liga de Eleitores, bem como meios independentes, denunciaram vários casos de fraude no pleito. A página na internet control2012.ru, que registra as infrações observadas pela Liga dos Eleitores, pelo partido partido Iabloko e partidários de Projorov, tinha contabilizado à noite mais de 5.200 irregularidades, incluindo 327 casos de “transporte maciço de eleitores” para votar em grupo e 114 casos de urnas com votos falsos.
(…)

Continua após a publicidade
Publicidade