Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Procurador chama de “risível” suspeita levantada por Collor

Por Márcio Falcão, na Folha Online: O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, classificou de “risível” a suspeita levantada pelo senador Fernando Collor (PTB-AL) de que o Ministério Público cometeu irregularidades na compra de 1.200 tablets. Gurgel não descartou a possibilidade de que seja uma “retaliação” por sua atuação. Nesta quinta-feira (21), o Senado aprovou pedido de […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 06h49 - Publicado em 21 fev 2013, 21h02

Por Márcio Falcão, na Folha Online:

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, classificou de “risível” a suspeita levantada pelo senador Fernando Collor (PTB-AL) de que o Ministério Público cometeu irregularidades na compra de 1.200 tablets. Gurgel não descartou a possibilidade de que seja uma “retaliação” por sua atuação. Nesta quinta-feira (21), o Senado aprovou pedido de Collor para que o TCU (Tribunal de Contas da União) investigue se a licitação para a compra dos equipamentos foi direcionada para beneficiar uma empresa. Senado aprova pedido de Collor para que TCU investigue procurador

“Isso chega a ser risível. Não a decisão do Senado, claro. O MPF fez uma licitação para iPads, especificamente para a marca, sem qualquer direcionamento, como aliás já fizeram diversos órgãos do governo. Um dos precedentes mais recentes é do Ministério de Minas e Energia, em procedimento já aprovado pelo TCU”, disse. Gurgel disse que a investigação é “legítima”, mas não descartou que seja represália pela movimentação contra senadores.

“A única coisa que digo é que a imprensa tem dito isso [retaliação]. Nos mais diversos órgãos de imprensa o que se vê é que haveria toda uma série de manobras, de retaliação em razão da atuação do procurador-geral É uma das possibilidades”, afirmou. Segundo o procurador-geral, o Ministério Público “está absolutamente certo da absoluta legalidade do procedimento que adotou e aguarda a auditoria do tribunal de contas”.
(…)

Continua após a publicidade
Publicidade