Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O PFL, agora Democratas

Leitores indagam o que achei da mudança do nome do PFL para “Democratas” — a sigla será DEM — e de a presidência do partido ficar com o deputado Rodrigo Maia (RJ). A minha resposta: “depende”. Mudança de nome, por si, não significa grande coisa. A prática é que vai dizer. A passagem do comando […]

Leitores indagam o que achei da mudança do nome do PFL para “Democratas” — a sigla será DEM — e de a presidência do partido ficar com o deputado Rodrigo Maia (RJ). A minha resposta: “depende”. Mudança de nome, por si, não significa grande coisa. A prática é que vai dizer. A passagem do comando de Jorge Bornhausen para um jovem parlamentar, de 38 anos, busca sinalizar uma renovação de lideranças. Corresponde à verdade?

Um adjetivo — “Democratas” — substantivado, em princípio, parece uma coisa um pouco estranha. Quando nos referirmos aos parlamentares, escreveremos sem problema “os democratas etc e tal”. Mas e quando estivermos nos referindo à legenda? “O” Democratas ou “os” Democratas? Besteira? Talvez nem tanto. É sempre preferível um nome que não cause estranheza aos ouvidos. De fato, não sei se foi uma boa escolha. Ela me parece contrariar o trato habitual da língua. Nesse sentido, Partido Democrata seria melhor. A história de que “PD” é uma sigla que significa “pederastas” em vários países me parece uma rematada besteira.

O PFL era o único partido de médio porte que trazia a palavra “liberal” no nome. Acho que não restou nenhum. O PL, aquele partido-sanfona que incha e desincha a depender da generosidade do governo, também escolheu outra sigla: PR, Partido Republicano. Ainda que nem um nem outro tivessem um ideário claramente “liberal”, é evidente que se passou a considerar que a palavra já não seduz ninguém — se é que chegou a seduzir algum dia.

Segundo Bornhausen, “os democratas têm o dever de sustentar as plataformas da defesa do meio ambiente e dos direitos humanos e de defender avanços em suas cinco bandeiras que são o emprego, a educação, a saúde, a segurança e habitação”. Ok. Convenham: a tendência é que todos os partidos elejam essas prioridades, que são, digamos assim, entre sociais e moderninhas.

Não sei até onde essa mudança traduz uma renúncia dos partidos brasileiros a discutir o tamanho do Estado e seu papel na economia. É bem possível que sim. E, se assim for, isso corresponde a uma longa condenação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Alexandre Core

    Acabaram-se as siglas “liberais”. A Democracia foi ninada no berço do Liberalismo, mas a palavra agora parece carregar um peso negativo diante do cenário político dominado pelo populismo, lulismo e pelo petralhismo. ‘PD’ ou ‘PDD’ permitiriam trocadilhos maliciosos, mas com ‘DEM’ não será diferente. A verdade é que se já causa vergonha carregar a bandeira de ser liberal, não tardará e sentirão também por serem Democratas.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Jorge Larionda

    Meu Deus, quem são as cabeças “pensantes” do PFL atualmente?!? Realmente relacionar o “PD” com o pederastas é ridículo. Quem aqui no Brasil vai saber disso?!? agora com a sigla “DEM” o trocadilho com o “demo” vai ser inevitável, tanto do lado dos adversários, quanto do lado dos chargistas. Qualquer criança de 5 anos perceberia isso. Espero que até a convenção, eles percebam isso.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Anônimo

    Isso eu lí em um outro blog. Todo partido tem que ter um “diminutivo” em forma de sigla. O Partido Democrata, seria “pê-dê”, uma forma diminutiva de pederasta, muito utilizado na França, daí, o tal de “DEM”…Acredito que o nome “democrata”, vem em oposiçãop à “república” (na atualidade está mais para “ré-pública”)utilizado pelos petistas no poder.Enfim, desejo que o partido tenha a adesão das bandas descontentes de diversos partidos, e que sob a batuta do jóvem Maia, com a ajuda do “netinho”, torne se a verdadeira oposição. Que os “ancient wise men” fiquem mais nos bastidores, deixando o “palco” para esses jóvens. Dá tempo ainda para as eleições de 2008. Vamos lá!

    Curtir

  4. Comentado por:

    Publius

    Eu acho que, apesar das peraltices do falecido PL, o PFL não deveria abandonar a denominação liberal. Democracias há de várias cores e sabores, até Cuba e China se consideram democratas. Democracia liberal é algo bem definido, caracterizando o credo político dominante nas democracias anglo-saxônicas que deram certo. Acho que PLD seria um ótimo nome.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Publius

    Aliás, se PD lembra pederastas, DEM lebra o “Demo”, muito temido entre a clientela do bolsa-família.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Anônimo

    Reinaldo,O que você acha do Partido Federalista, em formação? Seria a nossa última esperança?Luís Pimentel

    Curtir

  7. Comentado por:

    carlos alberto

    Caracas!Os DEMônios vai virar refrão. Quer jogar quanto?

    Curtir

  8. Comentado por:

    O Direitista

    Reinaldo,
    O Brasil é um país pobre em que todo mundo tem “direito” a tudo: saúde, educação, previdência, emprego, seguro-desemprego, bolsa família, renda mínima, cultura etc.
    É evidente que para garantir tantos “direitos” uma carga tributária altíssima se faz necessária. Não só a carga tributária tem de ser alta, mas a regulação estatal deve se imiscuir em toda parte, porque também temos “direitos” trabalhistas, “direitos” do consumidor, “direitos” da criança e do adolescente, “direitos” da mulher, “direitos humanos” (ou seja, dos criminosos) etc.
    O cenário para a construção de uma sociedade totalitária está dado. O governo não tem como atender a tantos “direitos” sem crescer ilimitadamente. Mesmo quando for ainda maior, mesmo quando esmagar completamente a liberdade individual, o governo não será capaz de garantir tantos direitos. Isto porque muitos direitos são incompatíveis com outros: os “direitos humanos” são incompatíveis com o direito à segurança, os “direitos” dos homossexuais são incompatíveis com a liberdade religiosa, os “direitos” da criança e do adolescente são incompatíveis com os direitos dos pais à autoridade sobre seus filhos.
    Sempre haverá, portanto, razão para reclamar, para manter os militantes ativos. Não é por acaso que na sociedade descrita no livro 1984 as pessoas estivessem sempre protestanto. “Protestar” parece ser a única obrigação. Ser um cidadão consciente ou crítico é saber protestar.
    Quanto tempo nos resta (se é que algum tempo ainda resta)?

    Curtir

  9. Comentado por:

    $

    Acho ótima a mudança de nome. O PFL já não é liberal há muito tempo – se é que foi um dia.

    Curtir

  10. Comentado por:

    gigoga

    Numa sopa de letras como é a desorganização partidária no Brasil, isso vem para confundir ainda mais o pobre e desamparado eleitor! VAI SER UM TIRO NO PRÓPRIO PÉ! Quanta BURRICE!

    Curtir