Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Geddel Vieira Lima é condenado por dar carteirada no Iphan

Ex-ministro de Temer foi condenado a pagar cerca de 340 mil reais e ficar cinco anos afastado de cargos públicos

Por Mariana Muniz Atualizado em 31 mar 2020, 15h50 - Publicado em 31 mar 2020, 15h16

A Justiça Federal em Brasília condenou o ex-ministro do governo de Michel Temer Geddel Vieira Lima ao pagamento de cerca de 340 mil reais e a ficar cinco anos afastado de cargos públicos pelo crime de improbidade administrativa.

A condenação diz respeito ao episódio em que Geddel, então integrante do governo de Michel Temer, tentou pressionar o então ministro da Cultura, Marcelo Calero, a produzir um parecer técnico favorável à liberação da construção de um prédio de luxo em Salvador.

O emedebista baiano havia comprado uma unidade habitacional no 23º andar do edifício “La Vue”, cujo projeto inicial não fora aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Na sentença, a juíza Diana Vanderlei, da 5ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, afirma que ficou comprovado que Geddel tentou constranger o então ministro da Cultura a obter solução administrativa que atendesse aos seus interesses privados quanto à construção do Edifício La Vue.

“Exsurge inconteste dos autos que, em verdade, tal interesse se justificava exclusivamente por conta dos interesses pessoais do então Ministro Geddel Quadros Vieira Lima em obter solução que lhe favorecesse pessoalmente, ou seja, a liberação da construção nos moldes do projeto original do Edifício La Vue”, escreveu.

Marcelo Calero, hoje deputado federal perlo Rio, comemorou a decisão em sua conta no Twitter.  “Quando fui confrontado com a audácia do corrupto Geddel e sua turma, sabia q teria que escolher entre um cargo, de um lado, e de outro a minha honra, os valores que aprendi em casa e minha dignidade. Não hesitei um segundo sequer. Hoje é feita JUSTIÇA, motivo pra celebrar!”, escreveu. 

 

Continua após a publicidade
Publicidade