Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Corte de recursos do Meio Ambiente, a nova trapalhada do governo

Pressão por recursos aos programas populares do governo justificou tesourada mal pensada; depois da confusão, o dinheiro fica!

Por Robson Bonin Atualizado em 28 ago 2020, 19h20 - Publicado em 28 ago 2020, 19h14

Na noite desta quinta-feira, os tecnocratas responsáveis pela mágica dos números no governo de Jair Bolsonaro mandaram avisar ao ministro Ricardo Salles que iriam cortar 60 milhões de reais do já injusto orçamento federal para políticas de Meio Ambiente.

Quem acompanhou o entrevero, disse que o ministro foi paciente em alertar:  “Não cortem”.

A turma dos números acha que sempre vence e que ninguém pode reclamar. Foi aí que a coisa ficou feia. “Acharam que o ministro não iria reclamar, não iria colocar a boca no mundo. Ele avisou. Mas eles não ouviram”, diz uma fonte do Meio Ambiente.

Deu no que deu.

A correria agora para dizer que o dinheiro não sumirá das contas do Meio Ambiente está grande, assim como é gigante a pressão para que alguém faça chover dinheiro nos programas do governo, o Pró-Brasil e o Renda Brasil.

Em tempo, o próprio Salles disse ao Radar que a turma do governo já voltou atrás.

Continua após a publicidade
Publicidade