Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Satélite revela desmatamento provocado por garimpeiros em área indígena

Imagens inéditas mostram o estrago causado por criminosos no Pará, onde o Ibama fez operação recentemente. Desmatamentos na Amazônia aumentaram 29% em 2020

Por Matheus Leitão Atualizado em 17 abr 2020, 12h00 - Publicado em 17 abr 2020, 10h42

Imagens inéditas de satélite mostram o avanço do desmatamento provocado pela ação de garimpeiros na área indígena Kayapó, situada no Pará, mesma região na qual o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) fez uma operação com grande repercussão na última semana. De dezembro de 2019 a abril de 2020 foram desmatados cerca de 23 hectares só nessa área, um verdadeiro estrago em terras da região amazônica totalmente preservadas até então.

O engenheiro florestal Tasso Azevedo, especialista do Observatório do Clima e ex-diretor do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), explica as imagens captadas pelo MapBiomas Alerta. Segundo ele, na primeira foto, de agosto de 2019, é possível ver a área sem intervenções. Nem o rio que existe na região consegue ser identificado pelo satélite devido à robustez da mata que o cerca. 

Imagem captada em agosto de 2019 mostra a floresta sem intervenções. Rio que existe na região não aparece devido à robustez da mata MapBiomas a partir de Imagens Planet/Arquivo

Quatro meses depois, em dezembro, percebe-se o início do desmatamento. O rio, antes encoberto pela vegetação, agora consegue ser visto de cima. As pequenas flechas amarelas indicam os pontos onde o Ibama esteve na semana passada. As imagens foram geradas com as coordenadas indicadas pela equipe de campo.

 

Em dezembro de 2019 percebe-se o início do desmatamento. O rio, antes encoberto pela vegetação, agora consegue ser visto de cima MapBiomas a partir de Imagens Planet/Arquivo

Uma das mais recentes fotos captadas pelo satélite, em março deste ano, choca especialistas ao detectar o desmatamento de 23 hectares. O rio apresenta uma cor barrenta, sinal de contaminação pelo garimpo. “A destruição foi muito rápida. Eles estavam infiltrando sem dó mesmo”, avaliou o engenheiro florestal à coluna.

Continua após a publicidade
Foto recente, do mês passado, mostra o rio com uma cor barrenta, sinal de contaminação pelo garimpo MapBiomas a partir de Imagens Planet/Arquivo

Operação 

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), só em março deste ano, os alertas de desmatamento na Amazônia aumentaram 29,9%, se comparados ao mesmo período do ano passado. Foram 70 mil hectares desmatados. A grave situação levou o Ibama a deflagrar uma operação para tirar madeireiros e garimpeiros das terras indígenas do sul do Pará. 

Além de paralisar a atividade ilegal, a ação teve como objetivo proteger do contágio do coronavírus os cerca de 1.700 indígenas que moram na região, tendo em vista que os grileiros podem ser uma fonte de transmissão. 

ASSINE VEJA

Covid-19: Sem Mandetta, Bolsonaro faz mudança de risco nos planos A perigosa nova direção do governo no combate ao coronavírus, as lições dos recuperados e o corrida por testes. Leia na edição desta semana.
Clique e Assine

Na operação, maquinários foram queimados e pontes clandestinas destruídas pelos fiscais do Ibama – medidas previstas por lei, já que a remoção de máquinas, além de difícil, pode ser interrompida por emboscadas. 

No entanto, a atitude não agradou a cúpula do governo federal. O próprio presidente Jair Bolsonaro disse, em outras ocasiões, que não é favorável à queima de equipamentos. O operação resultou na exoneração do diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Olivaldi Azevedo, responsável por coordenar a intervenção no Pará.

Siga a coluna no Twitter, no Instagram e no Facebook 

Continua após a publicidade
Publicidade