Clique e assine com até 92% de desconto
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Os bastidores do impedimento da busca e apreensão no gabinete de Serra

Gabinete do tucano no Senado foi guarnecido enquanto decisão sobre cumprimento ou não da busca e apreensão era resolvida

Por Matheus Leitão Atualizado em 21 jul 2020, 13h27 - Publicado em 21 jul 2020, 13h09

Ao suspender a busca e apreensão no gabinete do senador José Serra (PSDB-SP) no âmbito da Operação Paralelo 23, terceira fase deflagrada pelo braço eleitoral da Lava-Jato em São Paulo, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, avaliou que a Polícia Federal poderia ter acesso à atividade parlamentar que não está relacionada ao objeto de investigação, ferindo a independência do mandato.

Até a decisão de Toffoli sair, policiais federais ligados à investigação haviam sido impedidos de cumprir o mandado de busca e apreensão expedido pelo juiz Marcelo Antonio Martin Vargas, da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, nas dependências do Senado Federal. Segundo informado à coluna por investigadores, a Polícia Legislativa da Casa foi a responsável por avisar a equipe da PF que o mandado não seria cumprido. O encontro entre os dois grupos de policiais foi amistoso.

ASSINE VEJA

Crise da desigualdade social: a busca pelo equilíbrio Leia nesta edição: Como a pandemia ampliou o abismo entre ricos e pobres no Brasil. E mais: entrevista exclusiva com Pazuello, ministro interino da Saúde
Clique e Assine

Neste momento, o advogado-geral do Senado, Thomaz Henrique Gomma de Azevedo, acelerava a produção de uma reclamação, que depois foi impetrada e bem sucedida no STF. A ação buscava suspender o mandado de busca, alegando flagrante usurpação de competência. Como havia sido criado o impasse, ficou acertado que o gabinete de Serra seria guarnecido até a decisão final da própria Justiça. No caso, a decisão do Toffoli que suspendeu a medida cautelar.

Publicidade