Clique e assine a partir de 9,90/mês
Publicidade
Marcos Emílio Gomes A coluna trata de desigualdade, com destaque para casos em que as prioridades na defesa dos mais ricos e mais fortes acabam abrigadas na legislação, na prática dos tribunais e nas tradições culturais
Atividade que cresceu na pandemia, o subemprego dos entregadores sinaliza problemas novos e ainda maiores para os próximos meses
As redes sociais são um criadouro de ideias "da família das moscas teimosas" – do tipo que, "por mais que a gente as sacuda, elas tornam e pousam"
Legisladores, autoridades, condutores e até indústria têm condições de contribuir para que motos deixem de ser problema e passem a ser boa solução urbana
Pobreza, desassistência e desemprego explicam a tempestade sanitária perfeita num estado que teve 150% de aumento nas mortes em casa desde 16 de março
O economista, que já alertava para a dramática desigualdade no Brasil, enumera prioridades e ações para superar o cenário ainda pior depois da pandemia
Mas o acúmulo de questões miúdas o deixa cego para problemas que deveriam mobilizar a atenção de um presidente da República, entre elas a crise social
Sem menção ao SUS, em plena pandemia, reunião foi só uma radiografia de um governo que veta benefícios a agricultores familiares e sonha com a injusta CPMF
A doença, como se sabe, exibe sua face mais perversa quando encontra um organismo debilitado. No caso brasileiro, a debilidade é social
Essa é uma das poucas boas notícias no cenário mundial da desigualdade, a doença que mais se agrava como consequência da pandemia
Ministro mantém as datas das provas apesar dos prejuízos que terão os estudantes com menores condições de acompanhar conteúdos remotamente
Sob tutela militar e pressão de Bolsonaro, ele assiste à ampliação da crise, desmonta a estrutura da pasta e se esquiva de liderar o combate à Covid-19
Redução de óbitos no estado e na capital paulista premia a quarentena e indica, por comparação, que a desigualdade marcará profundamente o saldo da epidemia
Proposta que adia parcelamento das prefeituras e dos estados pune os beneficiários do SUS e os que pagaram seus compromissos em dia
Com menos dinheiro e disputa feroz por investimentos, o mundo pós-pandemia não parece servir no modelo adotado pelo ministro Paulo Guedes
Se já faltavam empregos e soluções para os excluídos antes da pandemia, o que se espera para o período posterior à turbulência sanitária?
Paradoxo sanitário faz parecer inúteis as medidas eficazes no controle da pandemia. Inclemência ou ignorância levam muitos a pregar a volta da normalidade*
Ações solidárias e doações inéditas marcam a mobilização de combate à Covid-19. O desafio é institucionalizar a ação contra a desigualdade ao final da crise
Perdas acumuladas na área de saúde desde 2016 ultrapassam em muito o dinheiro extra liberado para o combate da covid-19*
O sufoco financeiro do Senai e do Sesc, entre outros, ameaça uma enorme rede de formação profissional e promoção social
Maiores instituições financeiras lucraram R$ 63 bilhões em 2019, mas aparecem muito mal nas iniciativas de doações para a luta contra o coronavírus
Publicidade