Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
lillian witte fibe Lillian Witte Fibe Por Blog Política, economia e outros temas do momento. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Contra a prisão provisória. E pela corrupção eterna?

Ministro Gilmar Mendes, e na corrupção eterna que de provisória nada tem? Nessa não vai nada, não?

Por Lillian Witte Fibe Atualizado em 4 dez 2017, 14h12 - Publicado em 4 dez 2017, 13h56

Mas é cada uma.
De novo ele, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes – que acaba de mandar soltar pela terceira vez o rei dos ônibus no Rio – dispara contra o que chama de excessos do Judiciário.
Excessos das instâncias inferiores à dele, claro.
E cria o mote “prisão provisória eterna” pra explicar por que vai mudar de ideia sobre mandar prender condenados depois do veredito da segunda instância, e antes dos infindáveis recursos previstos em lei.
É que as prisões acontecem antes mesmo do julgamento em primeira instância, diz ele: “A prisão em segundo grau, em muitos casos, especialmente no contexto da Lava Jato, se tornou algo até dispensável. Porque passou a ocorrer a prisão provisória de forma eterna, talvez, até com o objetivo de obter a delação. Sentença de primeiro grau, o sujeito continuava preso, confirmava-se a provisória, e com certeza no segundo grau ele começa a execução”, ironizou o ministro.
https://g1.globo.com/politica/noticia/gilmar-mendes-diz-que-lava-jato-passou-a-adotar-prisao-provisoria-eterna.ghtml
Ministro, e na corrupção, essa sim eterna e nunca provisória? Nessa não vai nada, não?

Publicidade