Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Letra de Médico Por Adriana Dias Lopes Orientações médicas diárias e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

Câncer de mama masculino: informação para reduzir a mortalidade!

Os homens representam 1% dos casos de câncer de mama. No entanto, nesse grupo a taxa de mortalidade é mais alta

Por Antônio Frasson - Atualizado em 16 set 2019, 16h29 - Publicado em 16 set 2019, 16h28

Homens e mulheres possuem tecido mamário. Mesmo que os homens não desenvolvam mamas, as células de tecido mamário de um homem podem desenvolver câncer. Muitas pessoas não sabem disso. E, embora o câncer de mama masculino seja raro, representando apenas 1% do total de casos da doença, a mortalidade entre os homens é maior do que entre mulheres, exatamente porque o nível de conscientização sobre o assunto é escasso.

 Fatores de risco, sinais e sintomas

 Os principais fatores de risco são exposição à radiação, níveis altos do hormônio estrogênio e histórico familiar. O tumor geralmente é detectado como um nódulo endurecido abaixo do mamilo/aréola. Somente a realização de biópsia pode confirmar o diagnóstico.

 Por serem menos propensos a admitir a possibilidade de tratar-se de neoplasia de mama, os homens creem tratar-se de um processo inflamatório ou trauma local. Há ainda os que têm vergonha quando encontram um nódulo e não procuram assistência médica. Isso retarda o diagnóstico e reduz as chances de sucesso no tratamento.

 Tratamentos e teste genético

 As opções de tratamento do câncer de mama masculino são as mesmas oferecidas às mulheres: cirurgia, radioterapia, quimioterapia e terapias hormonais. 

Publicidade

Por ser um tipo de câncer raro entre homens, é aconselhável que se realize o teste genético para identificar possíveis genes mutados – sendo os mais comuns o BRCA1 e o BRCA2 – identificando riscos potenciais para os descendentes. Além disso, homens que possuem esses genes alterados têm mais risco de desenvolver tumores de próstata em uma idade mais jovem do que a faixa etária em quem usualmente tem o diagnóstico deste tipo de câncer. 

 Diagnosticar o câncer de mama cedo aumenta as chances de um tratamento bem-sucedido. Porém, pela sua raridade, não há indicação para que os homens realizem rastreamento do câncer de mama, por exemplo, com mamografias. Dessa forma, é importante que a população masculina fique atenta a alterações na região. Como os homens têm pouco tecido mamário, é mais fácil de observar ou sentir pequenas massas (tumores). Não deixe de procurar o mastologista caso perceba alguma alteração.

 

Doutor Antonio Frasson

Publicidade

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida

Eduardo Rauen, nutrólogo
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista

Marcelo Bendhack, urologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista

Publicidade