Clique e assine a partir de 9,90/mês
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

Até 15% dos gays têm HIV, e O Globo culpa quem? O “preconceito”! A “onda conservadora e homofóbica”! É mais uma blindagem de responsabilidade! Mais uma transferência

Por Felipe Moura Brasil - Atualizado em 11 Feb 2017, 17h17 - Publicado em 1 Dec 2014, 19h37

Não sei se sou eu que andava lendo menos O Globo, ou se hoje a capa do jornal está acima da média em – como direi? – blindagem de responsabilidades. No post anterior, falei da manchete que blinda o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame. Mas logo abaixo dela, há uma chamada igualmente “estarrecedora”, como diria a presidente Dilma Rousseff, certamente não neste caso dos gays. Veja:

Gays capa

Você leu direito: “preconceito faz dos gays mais expostos”. Didi Mocó diria: “Cuma!?” O preconceito – por pior e mais repugnante que seja – transmite vírus da Aids agora? Será que ele vai para a cama com os gays? Será assim uma relação carnal forçada, um estupro anal sobre o qual boa parte das “vítimas” gays não tem responsabilidade alguma? Essas perguntas passam pela cabeça de seres letrados, héteros ou gays, que leem uma manchete de cunho ideológico como esta na capa de um jornal, passando-se por dado informativo. E parece piada macabra, mas a manchete lá dentro não faz por menos:

Gays matéria Globo

Continua após a publicidade

Os “especialistas” ouvidos pelo Globo, claro, “são unânimes em afirmar: o preconceito e a discriminação são os maiores responsáveis por essa situação. A recente onda conservadora e homofóbica só faz agravar o problema”. Sem brincadeira. É o que está escrito lá no texto, que saiu também no site do Extra, com um título menos escrachado que “Discriminação incurável”: “Aids: 30 anos depois do início da epidemia, gays continuam sendo os mais vulneráveis“. A necessidade de associar o conservadorismo à homofobia é proporcional à de eximir-se de explicar os motivos. Mas nem precisa: a gente sabe que ser contra o “casamento gay”, como até uns tantos gays são, já constitui homofobia para a imprensa brasileira.

Uma das declarações que levaram às sínteses forçadas da capa e do título foi a da diretora do Programa de Aids das Nações Unidas (Unaids) no Brasil, Georgiana Braga-Orillard:

“O Brasil tem uma resposta muito boa no que diz respeito aos medicamentos disponíveis, mas a discriminação das populações mais vulneráveis continua sendo um desafio. Muitas pessoas morrem sem sequer saber que têm a doença. Elas têm medo de fazer o teste, de perder a família, os amigos, o emprego… E acabam chegando muito tarde ao tratamento. Em Curitiba, 20% dos diagnósticos são feitos depois do óbito, para você ter uma ideia.”

Alto lá! Daí a dizer, como a capa do Globo, que o “preconceito faz dos gays mais expostos” ou, como a matéria, “o preconceito e a discriminação são os maiores responsáveis por essa situação”, vai uma distância imensa. É duro ter de repetir o óbvio, mas vamos lá:

Continua após a publicidade

1) Muito antes do teste e do medo do “preconceito” na hora de fazê-lo, há a contaminação com o vírus. E de acordo com os Centros de Controle de Doenças, dos Estados Unidos, cujo relatório eu resumi aqui dois meses antes do Globo, “A maioria dos homens homossexuais e bissexuais adquirem o HIV através do sexo anal”. Preciso explicar que o preconceito não faz ninguém praticar sexo anal com ninguém? Espero que não! Transar, exceto em casos de estupro, é sempre uma escolha – que envolve riscos, especialmente neste caso.

2) Uma das verdadeiras razões para a maior incidência de infecção entre os gays é a promiscuidade, segundo os mesmos Centros de Controle de Doenças ignorados pelo Globo: “Ter mais parceiros sexuais em comparação com outros homens significa que homens homossexuais e bissexuais têm mais oportunidades de ter relações sexuais com alguém que possa transmitir o HIV ou outra doença sexualmente transmissível. Da mesma forma, entre os homens homossexuais, os que têm mais parceiros são mais propensos a adquirir o HIV.” Nos EUA, os homens gays são apenas 2% da população, mas 52% das pessoas com HIV. “Gays” no sentido genérico, que abrange homossexuais, bissexuais e outros homens que fazem sexo com homens (HSH). O mesmo sentido usado pelo Globo.

3) Nem todas as pessoas que morrem sem saber que tinham a doença são pessoas que tinham medo de fazer o teste por conta do “preconceito”. Parte delas morre precocemente porque não se preocupa mesmo em verificar se está doente, como a própria matéria sugere adiante: “as gerações mais novas entenderam, porém, é que a Aids ‘deixou de ser um problema’”. Outra parte dos que morrem não faz testes por conta de outros medos – como de hospital, de médico, de se saber doentes de qualquer coisa etc. – que nada têm a ver com “preconceito” nos meios sociais.

4) Se alguém deixa de fazer o teste por medo de um “preconceito”, sinto dizer, mas não é dos supostos preconceituosos nem do suposto preconceito a responsabilidade pela sua morte precoce, mas da pessoa que não os enfrenta e se deixa morrer doente. Salvo algum caso especialmente louco, e apesar de eventuais problemas de acesso aos postos de saúde, ninguém impede fisicamente os gays de fazer os testes. Transferir a responsabilidade dos gays pelo cuidado com a própria saúde para a sociedade inteira é fazê-los de vítimas inescapáveis de seus próprios medos, em ALGUNS casos inevitavelmente exagerados por uma histeria em sentido clínico. Histeria esta também insuflada pelas mentiras da imprensa sobre os números de assassinatos homofóbicos, como se todos os gays assassinados – poucas centenas em um país de quase 60 mil homicídios por ano – fossem vítimas de ‘crime de ódio’ e boa parte não fosse morta pelos próprios parceiros gays, como as estatísticas constatam.

Continua após a publicidade

Pois bem. A matéria do Globo é costurada pela história do estudante evangélico Max Goudar, de 24 anos, que acredita ter pego o vírus de um namorado. Max alega falta de informação na época da contaminação; os “especialistas” dizem que, “de fato, o conhecimento básico sobre a infecção e suas formas de prevenção não tem chegado às gerações mais jovens”; e aí vem um depoimento do ator Mateus Solano de que “a falta de informação leva ao preconceito”, o que nada tem a ver, na verdade, com a falta de informação de Max, mas com o preconceito dos outros. A confusão faz parecer, mais uma vez, que é tudo culpa do preconceito geral da sociedade.

Mas comento: nenhuma dose de informação sobre a Aids será jamais suficiente para suprir a dose de irresponsabilidade individual e sexual disseminada em uma cultura, inclusive por reportagens como esta, que se querem também informativas. Uganda — o país onde o número de soropositivos diminuiu graças à política de incentivo à castidade e à fidelidade conjugal — já mostrou que o buraco é muito mais em cima, mas o Brasil prefere distribuir camisinhas, pílulas e fazer propaganda gay nas escolas, banalizando o ato sexual. Adiante.

Max teria ouvido a frase “O preço do pecado é a morte” quando soube que era portador do HIV. Esta frase é a primeira da matéria. Sempre que se quer dar a conservadores, direitistas e/ou cristãos ares de radicalismo, a imprensa pinça uma frase radical qualquer, sem autor determinado, ou de autor suspeito. Foi assim nos protestos anti-PT com a “intervenção militar”. Foi assim no artigo de Helena Celestino após Israel SOFRER um ataque terrorista: “’Morte aos árabes’. Este era o grito de guerra dos ultradireitistas em Israel”, dizia ela na primeira frase. Foi assim agora na matéria sobre a Aids.

Max, no entanto, “teve grande apoio da mãe, em particular, e da família, em geral, o que nem sempre ocorre” e resolveu ao menos tratar a doença. Mas e se a “família em geral” não desse o apoio? Isto é desculpa para não fazer o teste? Isto legitima que se torne o preconceito da família o responsável pela maior exposição dos gays à doença, como quer o Globo? Claro que não!

Continua após a publicidade

Uma cultura forte é aquela que incentiva os indivíduos, minoritários ou não, a se tornar responsáveis por suas escolhas, vencer seus medos e enfrentar os preconceitos reais ou imaginários da sociedade em torno, em vez de culpar os outros por todos os seus problemas. A verdadeira “discriminação incurável” é a de quem, como a nossa imprensa, trata os membros da “minoria” como vítimas da sociedade, incapazes de encarar um mundo supostamente hostil.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Facebook, no Twitter e na Fan Page.

Publicidade