Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Dúvidas Universais Por Duda Teixeira Os fatos internacionais que desafiam a lógica e o bom-senso explicados de maneira clara e atraente. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como os chineses comem escorpiões e sobrevivem?

O escorpião pode ser degustado em segurança de três maneiras. Uma delas é tirando o último segmento da cauda, o telson

Por Duda Teixeira Atualizado em 30 jul 2020, 22h27 - Publicado em 22 jun 2016, 08h03

O escorpião pode ser degustado em segurança de três maneiras. Uma delas é tirando o último segmento da cauda, o telson. É nessa ponta onde ficam as duas glândulas que produzem e armazenam o veneno.

A segunda forma é assando ou fritando o bicho antes. As altas temperaturas quebram as estruturas das proteínas que formam o veneno e o desativam.

Uma terceira via é escolher escorpiões que não são perigosos. Das 1900 espécies existentes, apenas 25 têm veneno.

“Eu não recomendaria nenhuma delas mas, se fosse para escolher uma, eu indicaria com o animal em alta temperatura, principalmente frito”, diz a bióloga Denise Maria Candido, do Laboratório de Artrópodes do Instituto Butantan, em São Paulo.

De onde vem o costume de comer insetos na China?

Eles aprenderam a ingerir todo tipo de bicho durante as fomes devastadoras que enfrentaram no passado. A pior veio em 1958, quando Mao Tsé-tung decretou a coletivização do campo. Todos os que viviam na zona rural foram obrigados a trabalhar em fazendas controladas pelo governo, que confiscou a produção e se deu o papel de distribuidor de comida.

Os camponeses foram proibidos de arar a própria terra ou de ter uma cozinha. Enxadas, arados, panelas e facas foram derretidos para produzir metais para o Partido Comunista. Só era permitido comer em refeitórios coletivos. Quem fosse flagrado mastigando fora do lugar era castigado fisicamente.

O resultado da coletivização foi devastador. A produção de alimentos caiu e a fome chegou. Em 1960, para tentar diminuir o estrago, o Comitê Central do Partido Comunista publicou uma resolução recomendando a ingestão de insetos. Eles poderiam ser tostados, fritos, assados, secos e transformados em pó. Recomendava-se ainda que fossem transformados em pastas, biscoitos e colocados no molho de soja.

Seguindo a orientação do Grande Timoneiro Mao, cada localidade mandou seus habitantes para as montanhas e para os rios para encontrar insetos. “As alternativas aos alimentos ajudaram a mitigar a fome, mas também provocaram envenenamento, frequentemente com resultados fatais“, escreveu Yang Jisheng no livro Lápide, a grande fome chinesa.

Continua após a publicidade

Na Grande Fome da China, como a tragédia ficou conhecida, morreram 38 milhões de pessoas. No desespero, alguns violavam túmulos para comer cadáveres recém-enterrados.

OUTRAS DÚVIDAS UNIVERSAIS

Dá para morrer de poluição na China?

Por que os chineses falam alto? 

Por que ditaduras gostam de ter “Democrática” no nome oficial?

Quer ser avisado sobre os próximos posts? Siga o Dúvidas Universais no Twitter e no Facebook.

O problema foi contornado com o tempo, mas alguns hábitos permaneceram. Em seu livro O que os chineses não comem (Companhia das Letras), a escritora Xinran conta a história de um casal inglês que foi a um restaurante em Guilin, em 1998. O lugar ficava à beira de um rio e eles se sentaram no jardim. O garçom explicou o cardápio. Eles podiam escolher o que quisessem de tudo o que estava vivo no quintal ao lado da cozinha. Assustada, a turista preferiu pagar para deixá-los vivos.

Em outro trecho do livro, uma mulher descreve o que os chineses comem:

“Tudo o que voa no céu e você pode ver, exceto aviões, tudo o que nada no rio e no mar, exceto submarinos; tudo o que tem quatro pernas sobre a terra, exceto mesas e cadeiras – é isso que nós comemos”.

Aproveitando a ocasião: os escorpiões não se matam com a cauda. “Isso sequer faria sentido, uma vez que o veneno dele não tem efeito negativo para o próprio organismo, diz a bióloga Denise Maria Candido, do Laboratório de Artrópodes do Instituto Butantan, em São Paulo. O que acontece quando um escorpião é colocado dentro de um círculo de fogo é que ele morre desidratado e queimado. Enquanto o corpo do inseto perde a água, ele se contorce, se curva e balança a cauda. Sente que tem algo perigoso e quer se defender. No final, a impressão para quem vê é a de que ele se picou. 

Continua após a publicidade
Publicidade