Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Fatura indigesta

Bolsonaro que tanto bateu na vacina é hoje um vacino-dependente

Por Dora Kramer Atualizado em 18 mar 2021, 14h39 - Publicado em 18 mar 2021, 09h20

A nova rodada de pesquisas do Datafolha não traz uma só notícia boa para o presidente Jair Bolsonaro. Nem a manutenção do índice de 30% daqueles que o avaliam positivamente é vista com otimismo no Palácio do Planalto. Análise mais aprofundada dos números mostra que os fiéis a qualquer custo, o chamado núcleo duro de admiradores, ficam em torno de 15%.

Bolsonaro está recebendo a conta dos desmandos em série que cometeu antes e mais acentuadamente durante a pandemia: 56% não o veem como líder, 54% repudiam sua gestão na crise sanitária, 44% desaprovam o seu governo e 43% o consideram culpado pela tragédia que assola o Brasil. Nem o truque de tentar transferir a responsabilidade para os governadores deu certo: só 17% acham que a culpa é deles.

Uma fatura assaz indigesta que hoje o presidente não tem como pagar. No governo avalia-se que não há muito a fazer para reverter a situação desfavorável, a não ser investir na vacinação em massa e apostar que bons resultados tenham o condão de levar parte da população a lhe dar o benefício do esquecimento.

A ironia do destino é que o presidente que tanto se debateu contra a vacina hoje é um vacino-dependente.

Leia também:

  • Covid-19: mortes por dia no Brasil mais que dobram, na contramão do mundo.
  • Queiroga diz que unificará protocolos em UTIs do país.
  • Nas redes, bolsonarismo apoia vacina do covid-19 e novo ministro, mas ataca lockdown.
Continua após a publicidade
Publicidade