Clique e assine a partir de 9,90/mês
Coluna da Lucília Por Lucília Diniz Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação

Sanear a vida e os sentimentos

Chegou a hora de passarmos álcool gel em padrões e hábitos que não nos servem mais.

Por Lucília Diniz - 2 abr 2020, 18h25

Há algumas semanas acordamos num mundo diferente. Um mundo que não dá garantias de que voltaremos a viver como antes. A ansiedade relacionada aos pequenos dramas do cotidiano mudou de patamar. O que parecia importante (viajar, trocar de carro) perdeu relevância, ao tempo que e o que era banal (andar na rua, abraçar amigos) se transformou num sonho distante.

Fomos todos “convidados” a ficar em casa, e o isolamento social é sempre um convite à reflexão. A sensação inicial é de perda de liberdade. Mas a quietude do corpo nos dá a oportunidade de explorarmos melhor os nossos sentimentos.

Saímos do piloto automático e passamos a repensar diversas áreas da vida. Trabalhar, exercitar o corpo e levantar a autoestima permanecem como sendo necessidades fundamentais. Já os apegos e as nossas relações afetivas passaram a ser objetos de questionamento constante. Sinto que entraremos numa era de maior consciência sobre as nossas escolhas.

Como escritora e conselheira de bem-estar, sempre ouvi de minhas leitoras muitas queixas de seus companheiros, vistos como travas de seu processo de mudança. Mulheres que viviam relacionamentos fragilizados, e que empurravam com a barriga qualquer possibilidade de reexaminarem seus casamentos. Sempre defendi que um corpo em equilíbrio nunca foi feito apenas de dieta e exercícios; para ganhar saúde, é fundamental cuidarmos das nossas emoções. E neste momento de recolhimento, vivemos um tempo muito propício para conhecermos nossa própria sombra.

Continua após a publicidade

Claro que manter o astral em alta também é fundamental. Afinal, estamos todos perdendo muitas coisas, mas podemos também conquistar outras tantas. Aos que tem a sorte de poder contar com um bom companheiro do lado – curtir um carinho, um aconchego – talvez seja hora de saborear aqueles prazeres mais sutis da nossa vida. Lembrando sempre da sabedoria de Chaplin quando disse que “Um dia sem sorrir é um dia desperdiçado”.

Depois desta tormenta, quero acreditar que seremos uma versão melhorada de nós. Uma versão menos ansiosa e talvez mais introspectiva. Mas certamente em melhor condição de viver o presente em equilíbrio.

Publicidade