Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Bahia Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.

Folião terá que passar por reconhecimento facial no Carnaval de Salvador

Medida visa localizar criminosos com mandados de prisão ainda não cumpridos e evitar que estes cometam novos delitos

Por Rodrigo Daniel Silva - Atualizado em 26 fev 2019, 17h30 - Publicado em 26 fev 2019, 17h11

O folião que for pular o Carnaval de Salvador terá que passar por reconhecimento facial antes de entrar nos circuitos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), a medida visa prender criminosos que estão com mandados de prisão em aberto e tentarão curtir a folia – ou cometer novos delitos – na capital baiana.

Na festa, haverá 42 portais de abordagens espalhados pelos circuitos Dodô (Barra-Ondina), Osmar (Campo Grande) e Batatinha (Pelourinho), por onde o folião passará antes de ter acessos às avenidas. Deste total, doze terão reconhecimento facial, mas os pontos não foram informados pela SSP-BA por questão de segurança.

“Vamos experimentalmente inserir o reconhecimento facial, com banco de dados das pessoas mais procuradas. Nós vamos ter essa tecnologia sendo usada, pela primeira vez, no Brasil e em alguns lugares do mundo. É uma grande preparação. Acredito que a tecnologia tem feito um papel preponderante para ter um carnaval de paz”, disse o secretário de Segurança, Mauricio Barbosa.

A prefeitura de Salvador tem apostado que carnaval deste ano, que começa oficialmente na próxima quinta-feira 28, com a entrega das chaves ao Rei Momo, terá mais de 800.000 turistas durante os dias de folia.

Publicidade

“São quase 2 bilhões de reais movimentados pela indústria do Carnaval não apenas nos dez dias de festa, mas durante os 365 dias do ano. Esse é o grande ganho que justifica o investimento”, disse o prefeito ACM Neto.

Publicidade