Clique e assine com até 92% de desconto
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Reinaldo Azevedo: Estou na lista da Odebrecht? É o fim da picada!

Vai ver os interesses da Odebrecht se cruzavam com os meus e as coisas que eu dizia sobre o governo Lula eram do interesse da empresa...

Por Augusto Nunes 31 jan 2017, 19h45

Publicado no Blog do Reinaldo Azevedo

falsa-lista

Chegou-me por WhatsApp uma lista em que aparece um “Reinaldo Azevedo”  como um dos beneficiários da Odebrecht. E, claro!, a canalha faz a festa. É estupefaciente. Coisa destes tempos. Ontem, e renovo o pedido agora, cobrei que a ministra Carmen Lúcia quebrasse o sigilo das delações. E justamente para evitar esse tipo de baixaria.

“Você nunca teve relações com a Odebrecht?” A empresa foi anunciante da revista e do site “Primeira Leitura”, que fechou em 2006. Desses veículos e de uma infinidade de outros. A isso se resume a minha “relação” com a empresa. Ah, sim: tudo devidamente registrado, com nota fiscal e impostos pagos.

Vai ver os interesses da Odebrecht, ao longo desses anos, se cruzavam com os meus, né? Vai ver as coisas que eu dizia sobre o governo Lula eram do interesse da empresa, e, então, ela houvesse por bem me financiar. Enquanto mantinha as relações que admite impróprias com o governo, sustentava aquele que denunciava o regime dos “petralhas”.

Continua após a publicidade

Faz sentido!

A lista aparece com a marca da Presidência do STF.

“Ah, mas você criticou a homologação feita por Cármen Lúcia”. Claro que sim! É ilegal! É tarefa do relator. Mas isso basta para tentar enlamear a reputação alheia: “Ah, criticou a homologação porque está na lista”.

Até parece que, não fosse a homologação de Cármen, a lista — a verdadeira — permaneceria secreta.

Mais uma tentativa de intimidação. Não é a primeira. Não será a última.

Inútil desta vez, como foi inútil nas outras.

Continua após a publicidade
Publicidade