Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O juiz do Sarney

“Nem imaginava que se chegaria a essa altura de se pensar que fosse uma censura. A questão que se discutia era a questão do sigilo num direito de um processo judicial em contraposto com a divulgação de uma matéria que se daria com esse sigilo. A ideia foi apenas manter esse sigilo e não fazer […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 12h15 - Publicado em 15 abr 2011, 19h14

“Nem imaginava que se chegaria a essa altura de se pensar que fosse uma censura. A questão que se discutia era a questão do sigilo num direito de um processo judicial em contraposto com a divulgação de uma matéria que se daria com esse sigilo. A ideia foi apenas manter esse sigilo e não fazer censura”.

Dácio Vieira, desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, autor do despacho que impediu o Estadão de noticiar falcatruas que envolvem a Famiglia Sarney, pilhado em flagrante em meio à visita ao gabinete de Madre Superiora, explicando que manter a verdade em sigilo não é censura.

Publicidade