Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O impeachment de Collor é a exceção que confirma a regra da impunidade

Nesta segunda-feira, ao reinaugurar o “Túnel do Tempo”  ─ conjunto de 16 painéis que registram os principais momentos da saga do Congresso ─  o senador José Sarney caprichou na pose de testemunha ocular da História para justificar o sumiço da imagem da votação do impeachment do presidente Fernando Collor. “Esse episódio não é tão marcante […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 11h48 - Publicado em 31 Maio 2011, 20h33

Nesta segunda-feira, ao reinaugurar o “Túnel do Tempo”  ─ conjunto de 16 painéis que registram os principais momentos da saga do Congresso ─  o senador José Sarney caprichou na pose de testemunha ocular da História para justificar o sumiço da imagem da votação do impeachment do presidente Fernando Collor. “Esse episódio não é tão marcante como foram os fatos que estão aqui contados”, ensinou. “Talvez seja apenas um acidente que não deveria ter acontecido”.

O prazo de validade da explicação de Sarney expirou nesta tarde. “Eu não fui curador nem autor dessa exposição”, começou por absolver-se. “Mas, para evitar interpretações equivocadas, determinei à seção competente do Senado e sua administração que faça constar da devida exposição o impeachment do presidente Collor”. Atribuiu a mudança de ideia à leitura dos jornais do dia. Mas também é possível que tenha voltado atrás por ter revisto o vídeo em que Fernando Collor, na campanha de 1989, diz o que pensa de Sarney (confira na seção História em Imagens).

O Sarney de segunda-feira é o que tem razão: a paisagem humana do Congresso se afina muito mais com o Túnel do Tempo sem a queda de Collor. A punição aplicada ao chefe de governo que desonrou o cargo foi mesmo um acidente singularíssimo. É a solitária exceção que confirma a regra da impunidade. A Câmara e o Senado se transformaram em dois viveiros de delinquentes. Se o tratamento rigoroso dispensado a Collor fosse estendido a todos os fora-da-lei homiziados no Congresso, 90% dos gabinetes seriam imediatamente esvaziados. Começando pelo gabinete de Sarney.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=OQhnt9n4bDQ?wmode=transparent&fs=1&hl=en&modestbranding=1&iv_load_policy=3&showsearch=0&rel=1&theme=dark&w=425&h=344%5D

Continua após a publicidade
Publicidade