Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O astronauta Ahmadinejad tem de incluir um amigo brasileiro na viagem de foguete

Entusiasmado com o lançamento do foguete tripulado por um macaco, Mahmoud Ahmadinejad resolveu virar astronauta. “Embora saiba que há muitos candidatos, estou disposto a ser o primeiro homem enviado ao espaço por cientistas iranianos”, avisou o presidente nesta segunda-feira, na abertura de uma exposição sobre as conquistas da ditadura dos aiatolás além das fronteiras do […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 18 fev 2017, 09h12 - Publicado em 7 fev 2013, 10h20

Entusiasmado com o lançamento do foguete tripulado por um macaco, Mahmoud Ahmadinejad resolveu virar astronauta. “Embora saiba que há muitos candidatos, estou disposto a ser o primeiro homem enviado ao espaço por cientistas iranianos”, avisou o presidente nesta segunda-feira, na abertura de uma exposição sobre as conquistas da ditadura dos aiatolás além das fronteiras do planeta. Depois do que viu, convenceu-se de que a viagem com que anda sonhando não vai demorar mais que cinco anos.

O país que pensa, animado com a notícia, espera que Ahmadinejad decole o quanto antes ─ e espera sobretudo que não se esqueça de convidar um amigo brasileiro para acompanhá-lo. Como registra o comentário de 1 minuto para o site de VEJA, Lula lidera a lista dos possíveis tripulantes. Mas é improvável que tope: o maior dos governante desde Tomé de Souza não aceitaria menos que a chefia da missão, posto já reservado ao iraniano atômico. Fora o ex-presidente, quem reúne as credenciais necessárias para representar condignamente o Brasil Maravilha nessa empolgante aventura cósmica?

Meu candidato é Celso Amorim. Foi ele quem, fantasiado de chanceler, envolveu o Itamaraty inteiro no esforço para consumar o acasalamento promíscuo entre o governo lulopetista e a ditadura iraniana. E é ele quem, agora disfarçado de ministro da Defesa, terá de coordenar as ações dos aliados na frente sul-americanos caso Ahmadinejad resolva invadir os Estados Unidos. Essas duas constatações bastariam para embarcá-lo no foguete. Mas a mais relevante é a terceira: todos os brasileiros sensatos querem que Celso Amorim vá para o espaço.

Continua após a publicidade

 

 

Publicidade