Clique e assine com até 92% de desconto
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Dilma é tão honesta quanto Lula

“Ninguém pode negar a honestidade pessoal da presidente”, repetem jornalistas federais agarrados à suposição de  de que Dilma Rousseff jamais engordou com dinheiro sujo a própria conta bancária. Conversa fiada. Quem nunca embolsou propinas não é necessariamente honesto. O juiz de futebol que inventa pênaltis por amor ao time é tão desonesto quanto o que […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 22h59 - Publicado em 17 abr 2016, 16h30

“Ninguém pode negar a honestidade pessoal da presidente”, repetem jornalistas federais agarrados à suposição de  de que Dilma Rousseff jamais engordou com dinheiro sujo a própria conta bancária. Conversa fiada. Quem nunca embolsou propinas não é necessariamente honesto. O juiz de futebol que inventa pênaltis por amor ao time é tão desonesto quanto o que valida gols de mão por um punhado de pixulecos.

A candidata que mente, tapeia e faz o diabo para continuar no Planalto é tão vigarista quanto o estelionatário que tunga a poupança da tia com o conto do bilhete premiado. Fantasiada de faxineira, Dilma sempre tentou varrer para baixo do tapete o lixo produzido pelos corruptos de estimação. Disfarçada de supergerente durona,  avalizou a roubalheira do Petrolão. Caprichando na pose de bedel do colégio de freiras, promoveu Erenice Guerra a melhor amiga.

Dilma aprendeu com Lula que honradez é coisa de otário. Ambos são desonestos. A diferença está na moeda usada nas transações em que se metem. A afilhada aprecia cargos públicos e poder. O padrinho prefere receber em espécie, mas aceita doações em forma de imóveis.

http://videos.abril.com.br/veja/id/7980a034751b152cae5b93340360c459?

Continua após a publicidade
Publicidade