Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Cardozo quer comemorar a conquista do título de HSV de 2014 com a concessão do indulto de Natal aos companheiros engaiolados nas masmorras medievais

“Depois da medalha de prata de 2013, senti que este seria meu ano”, emocionou-se José Eduardo Cardozo ao saber oficialmente que conquistara o título de Homem sem Visão de 2014. O ministro da Justiça (se não for falsificada a plaqueta na porta do gabinete) chegou ao fim da enquete com 1.170 dos votos válidos (24% do […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 02h25 - Publicado em 23 dez 2014, 19h30

CARDOZOHSVvai

“Depois da medalha de prata de 2013, senti que este seria meu ano”, emocionou-se José Eduardo Cardozo ao saber oficialmente que conquistara o título de Homem sem Visão de 2014. O ministro da Justiça (se não for falsificada a plaqueta na porta do gabinete) chegou ao fim da enquete com 1.170 dos votos válidos (24% do total de 4.836), uma folgada vantagem sobre o segundo colocado Dias Toffoli (830) e Gilberto Carvalho (774), que completou o pódio. “Cumprimento todos os concorrentes pela memorável briga de foice”, caprichou o campeão no discurso de agradecimento. “Foi um duelo de titãs”.

Um dos 117 assessores de Cardozo encarregados de descobrir as operações planejadas pela Polícia Federal revelou que, desde que pressentiu o triunfo, Cardozo anda se gabando de que nenhuma finalíssima reuniu tantos candidatos poderosos e tantos prontuários de impressionar qualquer mano do PCC. “O chefe diz que, fora a besta do Alberto Cantalice, aquele bedel de jornalista que nasceu para lanterninha, só tinha fera na parada”, confidenciou o assessor. O HSV de 2014, em conversas reservadas, tem ponderado que o resultado foi injusto com candidatos que fizeram bonito em 2014. “Ele acha que uma Graça Foster e um Guido Mantega mereciam pelo menos uma medalha de bronze”, disse a mesma fonte.

Eufórico com o laurel que tornou ainda mais agradável o período de festas (“Sempre confiei em Papai Noel”, mentiu no discurso de agradecimento), Cardozo vai propor a Dilma Rousseff duas medidas concebidas para recompensar o esforço dos cabos eleitorais: suspender por um mês as operações da PF e premiar com o indulto do Natal todos os militantes do PT engaiolados por roubalheira. “Companheiros que apenas erraram não podem passar a festa do Ano Novo hospedados em masmorras medievais”, repete o ministro em conversas com amigos. “E se cometerem a mesma injustiça comigo? Nunca se sabe o dia de amanhã. Qualquer um corre o risco de encontrar um juiz Sérgio Moro no meio do caminho”.

O campeão de 2014 acredita que será atendido por Dilma. “Ela me deve algumas gentilezas”, disse Cardozo a um primo em segundo grau. “Nenhum ministro da Justiça absolveu tantos culpados e condenou tantos inocentes”, elogiou-se o titular absoluto do mais bisonho primeiro escalão desde a Proclamação da República. “Se eu deixasse a apuração do Petrolão correr solta, o PT só disputaria o campeonato de futebol do sistema penitenciário”.

Além dos três medalhistas, participaram da enquete que decidiu a finalíssima Graça Foster (634 votos), Guido Mantega (363), Teori Zavascki (261), Luis Roberto Barroso (255), Fernando Haddad (183), Aloizio Mercadante (162), Gleisi Hoffmann (106), André Vargas (79) e Alberto Cantalice (19).

Foi uma eleição da pesada, leitores-eleitores! Parabéns aos votantes pela demonstração de descortino, discernimento e espírito cívico! Mais uma vez, venceu o pior!

Continua após a publicidade
Publicidade