Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Os donos da verdade’, de Carlos Brickmann

Publicado no Observatório da Imprensa CARLOS BRICKMANN Um dos fenômenos mais interessantes (e perigosos) da atualidade brasileira é a incapacidade dos atores políticos, inclusive jornalistas engajados, de aceitar a possibilidade de que os adversários possam eventualmente ter razão, ou no mínimo tenham boas intenções. O objetivo do debate, aparentemente, não é provar suas teses, mas […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 04h39 - Publicado em 15 jan 2014, 18h23

Publicado no Observatório da Imprensa

CARLOS BRICKMANN

Um dos fenômenos mais interessantes (e perigosos) da atualidade brasileira é a incapacidade dos atores políticos, inclusive jornalistas engajados, de aceitar a possibilidade de que os adversários possam eventualmente ter razão, ou no mínimo tenham boas intenções. O objetivo do debate, aparentemente, não é provar suas teses, mas demonstrar que as do adversário estão erradas ─ de preferência, por estar ele vendido ou mal-intencionado; nem vencer a discussão, mas tentar desmoralizar o adversário. E, quando o objetivo não é atingido, bate a fúria e parte-se para o insulto.

É a atitude basicamente antijornalística; mas não faz mal, o importante, como no caso das torcidas organizadas de times de futebol, é brigar. É matar e morrer pelas cores de seus políticos favoritos; é negar aos infiéis até o direito a ter uma posição própria. Se não é vermelho é azul, pronto; e é triste ver jornalistas se comportando como os burros e cavalos da Animal Farm (a Revolução dos Bichos, de George Orwell), batendo os cascos no chão e gritando em uníssono slogans como “quatro pernas bom, duas pernas ruim”.

Continua após a publicidade

Isso vale para militantes histéricos dos dois partidos que até agora polarizaram o debate político brasileiro, o PSDB e o PT. Petista se recusa a discutir dólares na cueca, tucano se recusa a discutir investigações sobre cartel de metrô e trens urbanos; petista jura que o Supremo perseguiu os mensaleiros (mesmo considerando-se que Dilma e Lula nomearam oito ministros em onze, e que outros dois foram nomeados por presidentes que apoiam o Governo), tucano gostaria de ver os mensaleiros presos submetidos a um regime mais rígido ─ celas subterrâneas, talvez, e nada de luxos como tomar banho de sol no pátio da prisão.

É pena; o Brasil é mais complexo, mais multifacetado, politicamente muito mais rico do que faz supor esse dualismo barato de seitas inimigas. Isso incomoda os xiitas e os xaatos, que insultam ministros do Supremo, desrespeitam aliados de até há pouco tempo como Eduardo Campos (PSB, ex-aliado dos petistas) e Gilberto Kassab (PSD, ex-aliado dos tucanos), referem-se unicamente com palavrões a cidadãos de cujas ideias discordem. Aliás, não usam unicamente palavrões: usam também expressões como “kkkkk” e “uahuahuahuahua” que devem querer dizer alguma coisa. Não é a primeira vez que o país entra nesse clima de divisão, de guerra sectária, de disputa futebolística; e, se conseguir ultrapassá-lo sem importantes perdas políticas, será a primeira vez em que isso acontece.

Quanto aos meios de comunicação, que pena! As portas estão abertas para o Fla x Flu, mas a mais eficiente arma jornalística tem sido abandonada: a reportagem. O antigo secretário nacional da Justiça do Governo Lula, delegado Romeu Tuma Jr., publicou um livro em que há uma série de denúncias contra a administração de que fez parte. Boa parte dessas denúncias têm como testemunhas exclusivas o próprio autor do livro e seu falecido pai, o delegado Romeu Tuma, e não há como verificá-las. Mas um bom número de acusações pode ser comprovada ou desmentida por bons repórteres, que disponham de tempo e recursos.

Até agora, este colunista não soube de nenhum grande veículo de comunicação, desses que dispõem de pessoal competente e de bons recursos, que esteja pesquisando o que foi publicado no livro. Outro livro, recém-publicado pelo repórter Rubens Valente, tem como temas o banqueiro Daniel Dantas e a Operação Satiagraha. Espera-se que neste caso o livro não fique à mercê de opiniões favoráveis e desfavoráveis: que os jornalistas busquem boas fontes e deixem claro com fatos quem tem e quem não tem razão, e em que pontos.

Clique para ler as demais notas

Continua após a publicidade
Publicidade