Um aprendiz na Casa Branca, há cem dias

O presidente Donald Trump foi obrigado a recuar em muitos de seus projetos e começa mostrar pragmatismo

A fixação pelos cem primeiros dias de governo data da presidência do democrata Franklin Roosevelt, que chegou ao poder durante a Grande Depressão, em 1933, e conseguiu aprovar cerca de quinze leis para ajudar os Estados Unidos a saírem da crise. Desde então, os cem primeiros dias são um termômetro na política americana, e não seria diferente com o presidente Donald Trump. Apesar de o republicano ter feito pouco caso do marco, não pode esperar os dez dias finais para lançar a auto-avaliação.  “Nenhuma administração fez mais em seus primeiros 90 dias”, disse  Trump em Wisconsin, na semana passada.  Para um homem afeito a superlativos, nada diferente era esperado.

Em termos numéricos, Trump tem crédito para gabar-se: foram 28 leis assinadas desde que assumiu o cargo – o ex-presidente Barack Obama, faz questão de alardear o republicano, aprovou onze leis no mesmo período. Mas o numero esvazia-se quando considerada a relevância dos textos sancionados.

A maioria das promessas de campanha foi adiada ou deixada de lado – especialmente as que exigiam a colaboração de outros poderes para serem executadas. Foi o que aconteceu com a lei anti-imigração, derrubada pela Justiça, e reforma da saúde, que não obteve apoio do Congresso.

Sem experiência política, Trump alardeava que sua habilidade como negociador seria o grande diferencial para governar o país, mas tropeçou justamente nesse quesito. “Eu acredito que Trump não compreendeu completamente que temos real separação de poderes e, apesar da maioria republicana, o Congresso não aceita ordens. Ele não foi capaz de unir os republicanos como pensou que poderia”, diz o cientista político americano Marc Landy, da Boston College.

Veja também

As contradições do presidente não param por aí. Trump parece mudar rapidamente de opinião e toma atitudes intempestivas. Apenas nesta última semana, voltou atrás após dar declarações sobre o financiamento do muro na fronteira com o México, a saída dos Estados Unidos do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) e a expulsão de jovens imigrantes ilegais no país.

A escassa lista de vitórias políticas nestes cem primeiros dias é encabeçada pela nomeação do juiz federal Neil Gorsuch para a Suprema Corte. Com Gorsuch, Trump garantiu a maioria conservadora no mais alto tribunal do país.

Na política externa, a decisão de bombardear a Síria, que significou um revés em seu discurso, foi apoiada tanto pela base republicana quanto por líderes internacionais. Mas cobrou seu preço: o ataque comprometeu a aproximação com a Rússia e colocou o presidente Vladimir Putin de volta ao rol de adversários políticos dos Estados Unidos.

Trump reconsiderou sua postura em outros assuntos internacionais e tornou-se (ao menos por enquanto) mais pragmático em assuntos. Para garantir apoio estratégico, o republicano aliou-se à China e retificou críticas feitas à Organização para o Tratado do Atlântico Norte (Otan).

 

 

Trump subestimou os desafios da presidência. Em entrevista à agência Reuters dois dias antes de completar os cem dias de governo, assumiu: “Achei que seria mais fácil”.

Para o cientista político americano Paul Musgrave, da Universidade Massachusetts-Amherst, falta esforço ao republicano. “Passar uma legislação leva muito tempo, mas depois de duas semanas, se falha, já muda para a próxima, desiste. Estamos vendo Trump tuitar coisas que não têm nada a ver e ir para Florida passar o fim de semana. A falta de energia é impressionante”, diz Musgrave.

As recentes declarações do presidente parecem confirmar Musgarve: “Eu sinto falta da minha vida antiga. Eu gosto de trabalhar, mas isso é muito mais trabalho”, disse Trump à Reuters.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Ditarso

    Nossa.. A veja esta com umas 6 materias sobre o trump no site.. Isso que é vontade de falar do presidente alheio com tantos problemas no nosso país…

    Curtir

  2. Carlos Bandeira

    Todas opiniões contra Trump vem do Nordeste americano. Matéria idiota. Veja cada vez pior.

    Curtir

  3. Muito interessante ver como a media se agluina para falar mal do Sr. Trump. Os liberais falam o que quer e fazem protestos absurdos e violentos como o que ocorreu em Berkeley, quando a conservative speaker Ann Coulter foi proibida de falar em Berkeley devido a discordia terrorista criminosa que esses chamados progressistas fizerão. O mesmo estão fazendo com o presidente, ele foi eleito pelo povo Americano, e deve ser respeitado. Os que não erão a favor e não votarão no Obama tiverão que engolir o sapo por 8 anos ou serião chamados de racistas.
    Sera que queriam um “LULA DE SAIA” ou melhor a senhora de pantalonas governando a America???.

    Curtir