ONU: Presidente turco pede medidas contra suposto mentor do golpe

Erdogan acusa o clérigo Fethullah Gulen de ter orquestrado a recente tentativa de golpe no país

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pediu nesta terça-feira uma ação internacional contra o clérigo Fethullah Gulen, que se encontra exilado nos Estados Unidos e é acusado pelo governo de Ancara de ter orquestrado a recente tentativa de golpe no país.

“Gostaria de chamar todos os nossos amigos a tomar as medidas necessárias contra a Organização Terrorista Fethullah em seus próprios países para o futuro de seu próprio povo e seu bem-estar”, disse Erdogan na Assembleia Geral da ONU, referindo-se ao movimento de Gulen.

LEIA TAMBÉM:
Imagens mostram sequestro de comandantes durante golpe na Turquia
Turquia cobra que EUA acelerem extradição de acusado por golpe
Erdogan defende pena de morte após tentativa de golpe

Gulen nega categoricamente as acusações de Erdogan. Ele fugiu da Turquia e, hoje, vive na Pensilvânia, onde se mantém ativo no diálogo religioso e envolvido com obras de caridade.

Em pronunciamento na ONU, Erdogan disse que o movimento de Gulen está presente em 180 países, o que constitui uma “ameaça de Segurança Nacional” para todos.

Erdogan continua a pressionar os Estados Unidos pela extradição de Gulen. Em visita recente ao país, o vice-presidente americano, Joe Biden, afirmou que especialistas legais e a Justiça precisam analisar e rever a provas contra o religioso.