Coreia do Norte acusa Seul de soltar cobras na fronteira

O governo alertou à população para tomar cuidado com cobras, que seriam parte de um "esquema" sul-coreano para prejudicar o país

Guardas norte-coreanos que trabalham na fronteira com a Coreia do Sul receberam ordens para capturar cobras, aparentemente enviadas pelo país rival para causarem estragos no país vizinho, afirmou uma fonte de Pyongyang ao jornal The Guardian.

Oficiais da Coreia do Norte disseram que o alerta do governo dizia que o serviço de inteligência de Seul estaria usando répteis “como parte de um esquema engenhoso para desafiar a nossa unidade”. Nem todos os soldados, porém, foram convencidos da conspiração. “Alguns reclamaram sobre a natureza das justificativas do governo. Eles disseram que nem uma criança de três anos acreditaria que o Sul atacaria com cobras ao invés de folhetos ou CDs anti-regime”, comentou a fonte não-identificada.

Leia também:
Satélite registra atividade em base de testes nucleares na Coreia do Norte
EUA e Coreia do Sul decidem implantar sistema de defesa contra mísseis da Coreia do Norte
Kim Jong-un é visto fumando durante campanha contra o tabagismo

Apesar do ceticismo envolvido nas acusações, o Ministério de Segurança e outros órgãos públicos da Coreia do Norte estão pedindo que os cidadãos fiquem alertas ao perigo das cobras. Em algumas regiões, há rumores de pessoas sendo mordidas pelos répteis.

A propaganda do regime do ditador Kim Jong-un já declarou no passado que uma praga de insetos que estava prejudicando plantações de milho no país tinha relação com um “esquema imperialista” dos Estados Unidos. “Claro que a escassez de pesticida foi a causa da infestação”, afirmou a fonte do The Guardian. “Esse mecanismo vai se esgotar eventualmente, porque ao contrário da primeira narrativa estranha, poucas pessoas realmente viram cobras dessa vez”, comentou.