Esportes Aquáticos: veja cinco curiosidades do Brasil no Mundial

Composta por 61 atletas, seleção brasileira disputa evento na Hungria a partir desta sexta-feira com retorno de Cesar Cielo e estreia de dueto misto

Com o retorno do principal nome da natação brasileira nos últimos anos, a ausência de medalhistas olímpicos e a estreia do dueto misto no nado sincronizado, entre outras curiosidades, o Brasil disputará a partir desta sexta-feira mais uma edição do Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos, em Budapeste, na Hungria. A delegação será composta por 61 atletas em seis modalidades: natação, maratonas aquáticas, nado sincronizado, polo aquático, saltos ornamentais e high diving (salto de grandes alturas)

Este será o primeiro grande evento que a equipe disputará após os Jogos Olímpicos Rio-2016, e depois da crise que assolou a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), que culminou na prisão de quatro dirigentes da entidade, entre eles o ex-presidente Coaracy Nunes.

Confira abaixo cinco curiosidades da participação do Brasil no Campeonato Mundial:

O retorno de Cesar Cielo
O Mundial de Budapeste marcará o retorno de Cesar Cielo à seleção brasileira, após o velocista não conseguir se classificar para os Jogos Rio-2016. Dono de três medalhas olímpicas, o atleta de 30 anos disputará sua especialidade, os 50m livre, da qual é tricampeão mundial em piscina longa (50m). As eliminatórias serão no dia 28.

Estreia do dueto misto
Pela primeira vez na história, o Brasil competirá em um Campeonato Mundial com um dueto misto no nado sincronizado – as duplas formadas por homens e mulheres entraram no programa do evento na edição passada, em 2015. O país será representado por Giovana Stephan e Renan Alcântara, que são namorados. Eles estrearão no dia 17, na prova técnica, e também exibirão outra performance no dia 22, na rotina livre.

Primeiro treino aqui em Budapeste! #synchro #FINABudapest2017 #mixedduet #budapestcity

A post shared by Dueto Misto Brasil (@duetomistobrasil) on

Juntas, mas separadas
Nos Jogos Olímpicos Rio-2016, Ingrid Oliveira e Giovanna Pedroso desfizeram a parceria nos saltos ornamentais, após Ingrid levar para o quarto na Vila Olímpica o atleta Pedro Henrique Gonçalves, da canoagem. O episódio causou uma crise na dupla, que acabou culminando na separação. Ambas competirão em Budapeste, mas apenas na prova individual da plataforma, no dia 18.

Esta é a selação brasileira de #SaltosOrnamentais no @budapest2017 Quem está na torcida? Falta pouco! 🇧🇷

Uma publicação partilhada por CBDA (@cbdaoficial) a

Quem pode ganhar medalha

Bruno Fratus, Nicholas Santos e Ana Marcela Cunha pintam como os principais candidatos brasileiros a subir no pódio na Hungria. Fratus venceu cinco provas internacionais preparativas para o Campeonato Mundial, nos 50m livre na natação. Nicholas, por sua vez, lidera o ranking mundial dos 50m borboleta, com a marca de 22s61. E Ana Marcela pode ser considerada uma das favoritas nas maratonas aquáticas, por já ter conquistado seis medalhas em Mundiais passados.

1 semana pros 10km!! 💪🏽💪🏽

A post shared by Ana Marcela Cunha (@anamarcela92) on

Ausência de medalhistas olímpicos
Dois grandes nomes das modalidades aquáticas no Brasil não competirão na Hungria. O nadador Thiago Pereira, vice-campeão olímpico nos 400m medley nos Jogos de Londres-2012, aposentou-se em março deste ano. Já Poliana Okimoto, bronze na prova de 10km nas maratonas aquáticas na Rio-2016, não conseguiu classificar-se para o Mundial.