Blogs e Colunistas

19/04/2012

às 12:51 \ Consultório

Do charque ao ‘jerked beef’, com incas de entremeio


“Prezado Sérgio, gostaria de saber a etimologia do termo ‘charque’. A semelhança de pronúncia com o termo inglês ‘jerked’ (de ‘jerked beef’) é incrível. O que você acha?” Aloísio Celeri

Aloísio observou bem: a semelhança entre essas palavras não é fortuita. Embora a raiz mais profunda de “charque” seja controversa, como veremos em seguida, não existe dúvida sobre seu parentesco com jerky e, na forma mais usada, jerked beef, dois nomes da versão ianque de nossa carne-seca. (Hoje, carne-seca, charque e jerked beef são palavras empregadas com sentidos sutilmente diferentes no jargão da indústria, do comércio e do marketing, mas isso não vem ao caso aqui.)

Tal parentesco não quer dizer que o português tenha ido buscar seu charque no vocábulo jerky, como qualquer um pode se sentir tentado a imaginar quando leva em conta o fluxo caudaloso de empréstimos vocabulares no sentido Norte-Sul. Segundo o dicionário etimológico de Douglas Harper, jerk existe como verbo (“charquear, cortar a carne bovina em tiras e salgá-la”) desde 1707, enquanto o substantivo jerky (“charque”) ganhou seu primeiro registro em 1850. Ambos são derivados do espanhol charqui ou charque, um vocábulo datado de 1602, de idêntico significado.

Todos os etimologistas parecem estar de acordo sobre o nosso charque – termo que estreou oficialmente em português no dicionário de Antonio de Morais Silva, em 1858 – ter a mesma origem. E quase todos vão procurar o étimo do vocábulo espanhol numa palavra do quíchua, língua indígena sul-americana falada no império inca: ch’arque, de 1560.

Resumindo: o quíchua teria influenciado o espanhol, que por sua vez teria influenciado o inglês e o português. Faz sentido, certo?

Talvez, mas, como eu disse acima, a conexão inca é bancada por quase todos os filólogos. O catalão Joan Corominas (1905-1997), um dos papas dos estudos etimológicos, nunca engoliu essa história. O motivo de seu ceticismo não é fácil de descartar: o fato de existir em português pelo menos desde o século 15 – antes, portanto, de tudo o que foi dito acima – o vocábulo enxerca (ou enxarca), “carne de rês cortada em tiras, salgada e seca ao sol ou ao fumeiro” (Houaiss). Derivada do árabe ax-xarq, a palavra enxarca indica, segundo Corominas, uma origem ibérica para o espanhol charqui, que neste caso teria contaminado o quíchua e não o inverso.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Toda quinta-feira o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

8 Comentários

  1. Joana

    -

    08/06/2013 às 23:45

    Fascinante. Dizem que o árabe guarda semelhanças com o quíchua e com o tupi. Essa palavra parece ser um indício disso.

  2. Jaime

    -

    21/04/2012 às 7:32

    Charque nao pode vir do arabe!. Espanha foi dominado pelos musulmanos por tres seculos. E somente aparece este vocablo depois de que os Espanholes foram influenciados pelos Incas. Charque nao eh vacuno apenas era feito da carne da LLama. A batata tambem eh Inca, foi criada pelos Incas, a batata nao apareceu naturalmente.

  3. Alcione

    -

    20/04/2012 às 22:47

    QUECHUA………

  4. Microempresário

    -

    20/04/2012 às 12:47

    E complementando ainda mais, charque é comida de pobre, enquanto jerked beef é um produto diferenciado.

  5. Renata

    -

    19/04/2012 às 18:57

    Complementando ainda, a diferença entre ambos produtos, além do modo de desidratação, é que enquanto o charque é salgado apenas com sal comum (cloreto de sódio), o jerked beef é salgado com nitrato e nitrito, conservantes químicos artificiais.

  6. marcospencerSSA

    -

    19/04/2012 às 18:10

    Complementando: técnicamente são produtos diferentes, enquanto o charque é secado ao sol, o jerked beef é seco em estufa com ar quente. A diferença entre os produtos não é percebida facilmente.

  7. sergiorodrigues

    -

    19/04/2012 às 17:45

    Ricardo, as duas formas existem em português. O Houaiss registra ambas, mas dá preferência a quíchua. Um abraço.

  8. Ricardo

    -

    19/04/2012 às 17:27

    Boa Tarde

    Tenho um amigo peruano (cholo) que fala que o idioma dos incas se chama quechua (kêtiuá) e não quíchua (que já ouvi falarem kishua). O senhor sabe alguma coisa a respeito e pode esclarecer a minha dúvida?

    Saudações

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados