Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Sobre Palavras Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Sérgio Rodrigues
Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.
Continua após publicidade

‘Cadê você?’ Está errado dizer isso?

Não. ‘Cadê’ é uma palavra brasileira que conserva alguma informalidade, mas a língua ficou mais rica com ela

Por Sérgio Rodrigues
Atualizado em 31 jul 2020, 00h37 - Publicado em 26 ago 2015, 16h22

JORGE_DE_LIMA

“Um professor de português me disse que a palavra ‘cadê’ é grosseira, está errada, em vez disso devemos dizer ‘onde está’. Isso faz sentido? Confesso que fiquei confusa, pois sempre falei e ouvi ‘cadê’, e agora?” (Melissa Fontes)

Seu professor peca pelo excesso de rigor, Melissa. O advérbio “cadê” é um brasileirismo que ainda conserva certa carga – cada vez menor, parece – de informalidade, mas não pode ser considerado uma palavra “errada” pelo menos desde o último quarto do século XIX.

Expressão interrogativa que significa “onde está”, “cadê” é uma variação mais bem-sucedida de outra palavra exclusivamente brasileira, “quede” – que primeiro virou “quedê”, depois “cadê”.

Tanto “cadê” quanto “quede” são contrações da expressão “que é de”, isto é, “que é feito de”, “onde está”, “onde foi parar”.

Continua após a publicidade

É verdade que, em contextos formais, deve-se dar preferência a uma construção mais clássica como “onde está”. Contudo, condenar “cadê” como erro seria um equívoco tão grande quanto condenar a contração “você” (de “Vossa Mercê”, por intermédio de “vosmecê”).

Como expliquei numa consulta semelhante de cinco anos atrás, bastam, para deixar claro que o surgimento de “cadê” enriqueceu a língua portuguesa, estes versos do poema “Essa negra Fulô”, de Jorge de Lima (foto), com os quais o Aurélio ilustra o verbete “cadê”:

Ó Fulô? Ó Fulô?
Cadê meu lenço de rendas,
cadê meu cinto, meu broche,
cadê meu terço de ouro
que teu Sinhô me mandou?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.